Espaços históricos sob a tutela do governo mineiro estão sendo revitalizados e colocados à serviço da população. As ações, com investimentos que passam de R$ 100 milhões, contemplam prédios, casarões, parques e teatros. Em sua maioria, os bens imóveis pertencem à Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) e são tombados seja pela União, pelo Estado ou município.

“São ativos que estavam parados e tendo o uso desvirtuado”, enfatiza a diretora de Fomento do órgão, Fernanda Machado.  

Ela destaca que as ações refletem positivamente no turismo, principalmente no de negócios e de lazer. Os moradores dos locais onde os espaços estão também sentem os impactos. É o caso de Juiz de Fora, na Zona da Mata.  

Lá, as obras do Teatro Paschoal Carlos Magno foram finalizadas após convênio assinado entre o Executivo estadual e a prefeitura da cidade. A construção do imóvel foi interrompida na década de 1980 e retomada em 2015, por meio da Codemge, ao custo de R$ 6 milhões. Além do espaço para 400 pessoas no teatro, o imóvel conta com uma galeria de arte, um anfiteatro, café e área para reuniões e ensaios.  

A inauguração agradou aos artistas do município. “Era uma reivindicação deles. Vai dar um impulso na atividade cultural local”, pontua Fernanda.
 
RESGATE
Já em Diamantina, na região Central, o destaque fica por conta da reforma de um casarão na rua Macau de Cima. A edificação integra o conjunto arquitetônico e urbanístico tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

“A casa ficou abandonada por muito tempo e conta muito da passagem do período da exploração mineral por lá”, diz a diretora da Codemge.  

Os investimentos são estimados em R$ 2 milhões. Atualmente, estão em fase final os projetos de engenharia e orçamento. Em seguida, as obras serão licitadas. 
 
NA CAPITAL
Localizado no Centro de BH, o Minascentro será modernizado para garantir a segurança e conforto dos usuários.  

O edifício, tombado pelo município, só tinha passado por pequenos reparos. Agora, a estrutura terá intervenções nos sistemas hidráulico, de energia e de ar-condicionado, com investimento previsto de R$ 30 milhões. O edital já foi publicado.

Criado em 1981 e oficialmente inaugurado em 1984, o espaço passou a ser administrado pela Codemge em 2016. Tradicionalmente, sedia muitos dos principais eventos de arte, cultura, comércio, ciência e turismo de BH. 

Também na capital, a companhia trabalha na reforma do antigo prédio do Bemge, localizado na Praça 7, no hipercentro. A construção abrigará a sede do P7 Criativo, a primeira agência de desenvolvimento da indústria criativa de Minas Gerais.

Projetada por Oscar Niemeyer, em 1953, a edificação foi tombada pelo patrimônio histórico e marca o início da arquitetura moderna em arranha-céus na cidade. 

SAIBA MAIS
Outros projetos também se destacam
Balneário de Pocinhos do Rio Verde

Localizado em Caldas, no Sul de Minas, o espaço foi reformado em 2017, com investimentos em torno de R$ 2,7 milhões. As obras consistiram na troca de equipamentos, pintura, modernização das instalações elétricas e hidráulicas e revitalização das fontes de água mineral. 
 
Centro de Cultura Presidente Itamar Franco
Construído para abrigar a Sala de Concertos Minas Gerais e as sedes das emissoras públicas do Estado – Rede Minas e Rádio Inconfidência –, fica no Barro Preto, região Centro-Sul da capital. O projeto inclui, ainda, um casarão restaurado que irá sediar a Mineiraria – Casa da Gastronomia.
 
Vila do Artesanato
A edificação está sendo erguida em Araxá, no Triângulo, perto do Grande Hotel, principal patrimônio turístico da cidade. As obras, em torno de R$ 3 milhões, oriundos da Codemge, devem ser concluídas até o fim deste ano. O local vai reunir artesãos de diversas especialidades regionais, como tecelagem, escultura, bordados e alimentos. 
 
Cassino de Lambari
O imóvel que abrigou o cassino, localizado no Sul do Estado, será transformado no Museu das Águas. A edificação já foi restaurada, em 2016, com obras na parte elétrica, pintura, telhado, instalação de elevador e cobertura com teto de vidro. Nessa primeira etapa foram investidos R$ 11,4 milhões. A segunda fase do projeto está em andamento. 
 
Parque das Águas de Contendas
Instalado em Conceição do Rio Verde, também no Sul, o espaço conta com duas fontes de água gasosa, ferruginosa e magnesiana, com propriedades terapêuticas. As estruturas, inclusive, estão sendo revitalizadas. Também são feitas melhorias nos brinquedos, portarias e churrasqueira, além da construção de campo de futebol, estacionamento e pista de caminhada. O projeto custa cerca de R$ 1,8 milhão. 
 
Parque Marimbeiro
Em Cambuquira, no Sul do Estado, a população já conta com o parque revitalizado. A obra, finalizada em maio de 2016, teve investimento de R$ 477,2 mil, oriundo da Codemge. As intervenções contemplaram paisagismo, recuperação do sistema de drenagem e da pista de caminhada e adequações dos banheiros e rampas para pessoas com necessidades especiais.