Montes Claros amanheceu de luto ontem. Faleceu, aos 74 anos, o mestre de catopê João Batista Farias, 46 deles dedicados ao segundo Terno de Catopê, que tem como padroeira Nossa Senhora do Rosário. João estava internado em hospital da cidade desde o último sábado com hipoglicemia. Posteriormente foi submetido a cirurgia cardíaca, mas o quadro se agravou e ele não resistiu. Ele foi velado em casa, conforme havia pedido à família, e sepultado no fim da tarde de ontem. 

“Mestre João deixa um grande exemplo de fé e devoção. Era o primeiro a chegar e primeiro a contribuir para o brilho folclórico da nossa cultura. Ele dirigiu e incentivou muitos jovens. Vai deixar saudade”, disse o historiador Wanderlino Arruda, membro do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros. 

Para a deputada Raquel Muniz, que participa desde criança da festa religiosa, a cidade perde um dos grandes símbolos da cultura popular. “Ele era constante e pelo sua dedicação e envolvimento chamava a atenção de todos, principalmente durante o levantamento do mastro, momento de muita fé dentro das Festas de Agosto. Mestre João Faria está eternizado na memória de todos os montes-clarenses e todos nós lamentamos a sua partida”, disse a deputada, que nasceu no bairro de Morrinhos, berço dos catopês.
 
TRADIÇÃO
Pedro Ferreira, ex-diretor de eventos da Secretaria Municipal de Cultura, revela que o Mestre João Faria era para ele o catopê original, de raiz. “Tive a alegria de conviver com ele e desfrutar de sua sabedoria. Mestre João era uma pessoa simples e não reclamava de nada. Era ele quem reunia e ensaiava os meninos do grupo de catopê. Estou triste com essa notícia”, lamentou Pedro.

Carroceiro de profissão, João Faria participava das Festas de Agosto desde os oito anos de idade. Em 1971, passou a comandar o segundo Terno de Catopê de Nossa Senhora do Rosário. O outro é liderado por Mestre Zanza. Já o Terno de São Benedito, era comandado até 2016 pelo Mestre Expedito, que faleceu naquele ano. 
 
HISTÓRIA 
Os catopês são identificados pelas roupas brancas e capacetes com fitas coloridas. Junto com os Marujos e Caboclinhos, são eles que dão vida às Festas de Agosto, evento que é realizado há mais de 170 anos na cidade e que atrai turistas de todos os pontos do Brasil e do exterior. 

Músicos como Toninho Horta, Yuri Poppof, Maurício Tizumba e Tavinho Moura, são alguns dos nomes que circulam pelas ruas de Montes Claros durante o período das Festas de Agosto.

O Centro Cultural da cidade não funcionou nesta data em razão do falecimento do mestre.