Janelas da Memória – Marilene Veloso Tófolo

Vitrine Literária / 14/11/2017 - 20h58

A escrita de Marilene Veloso Tófolo tem o cheiro e o colorido da poesia. Ela descreve como se falando estivesse, numa simplicidade incomum aos eruditos escritores de memórias. O livro de Marilene “Janela da Memória” é um tesouro literário onde estão contidas todas as suas lembranças de menina-moça e mulher. A família é cultuada com exaustão em todos os textos, haja vista a valorização familiar que a autora intensifica na sua escrita. Pensando assim, ela mesma confessa que não poderia deixar de falar aqui sobre a origem de sua família e a destaca com grande conhecimento no capitulo “Brasão, Genealogia e Armas”.

Ninguém melhor do que a sua própria filha Sandra Veloso Tófolo para analisar a sua obra. Em razão disso transcrevemos para cá as suas palavras publicadas na quarta capa do livro. “Com o livro Janelas da memória percebemos a liberdade estampada em cada frase, a doçura em cada poema e o resgate das lembranças nas entrelinhas. Não basta ter uma vida rica em detalhes, é preciso a percepção e esse dom é privilégio de poucos que têm a coragem de desnudar-se de preconceitos e ter a ousadia suficiente para transpor para um singelo papel todo sentimento que consome sua alma. O que para muitos se trata de nostalgia, para a autora não passa de uma viagem ao seu passado, um mergulho nas lembranças que se fazem vivas em cada rosto, em cada cheiro e em cada lugar em busca das raízes perdidas”.

Alguns de seus poemas vêm ilustrados com fotografias. Aliás, todos os que escrevem deveriam assim proceder. É na verdade uma valorização em dobro: texto e foto. Dentre os seus depoimentos podemos enumerar os textos sobre a Irmã Beata, dona Tiburtina e a Igreja Matriz com a presença do saudoso padre Dudu. No âmbito familiar, ela escreveu sobre José Antônio Veloso (Vovô Nêgo Veloso) e da sua tia Laudy, uma descendente do Barão de Jequitaí. Sobre a cidade de Montes Claros ela descreve o cotidiano do Mercado Antigo e a falta de cuidado dos políticos com o Velho Chico, um rio denominado de unidade nacional e que é a rendição do povo norte-mineiro.

Portanto, o livro “Janelas da memória” é uma obra que veio para ficar. Tem qualidade gráfica impecável, com capa moderna e cores condizentes com o trabalho proposto pela autora. É um livro rico em informações históricas, pois ele se completa com as reminiscências da jovem Marilene nos tempos pretéritos. É uma contribuição impar na esfera cultural de Montes Claros reconhecida por todos os montes-clarenses desta terra e, principalmente o nosso Instituto Histórico e Geográfico. 

Nota-se, portanto, que a escritora Marilene Veloso Tófolo é sócia efetiva do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros. Ela nasceu em Montes Claros e é filha de Sebastião Souto Veloso e de dona Júlia Veloso de Aquino e segundo o seu filho Luciano a esperança de Marilene é ter forças para ultrapassar os percalços da vida. O belíssimo livro “Janelas da Memória” já faz parte, com justiça, da biblioteconomia de Montes Claros. Agora ela brinda aos seus amigos e confrades do IHGMC, esta notável obra, permitindo a eles o acesso fácil à memória literária e histórica de nossa cidade. 

Parabéns, Marilene!

Publicidade
Publicidade
Comentários