Árbitro de vídeo

Sapatada na rechonchuda / 07/02/2018 - 06h03

Alguns colegas condenando o fato da maioria dos clubes terem votado contra a inserção do Árbitro de Vídeo no futebol brasileiro. Importante dizer que A CBF recebeu, em 2017, quase R$ 411 milhões só em patrocínios e ainda quer que cada clube pague R$ 1 milhão para bancar a tecnologia de árbitro de vídeo em todos os 380 jogos do Campeonato Brasileiro. Você acha mesmo que com essa imputação ela estava interessada em que o AV seja implantado? Na minha singela ótica essa história de repassar aos clubes os custos da implantação do sistema seria uma maneira de praticamente inviabilizá-lo, já que cada clube meter a mão no bolso com 1 milhão de reais é algo impraticável nos dias atuais.

Síndrome de Pôncio Pilatos
Colocar a conta na mão dos clubes não seria mais uma forma da entidade brasileira “lavar as mãos” e sair como a mocinha do filme? Além de tudo, segundo a CBF, a inserção do AV nas partidas de futebol só seria no segundo turno do Brasileirão, embora a própria confederação tivesse dito que implantaria o sistema no final da Copa do Brasil do ano passado. Possibilitar que o vídeo seja implantado somente depois da Copa, quando os resultados anteriores já podem ser passivos de “erros” ou possíveis manipulações dos árbitros, é no mínimo dizer que não tem nada a ver com isso.
  
Nicomedes Almeida 
No programa Camisa 12 desta terça-feira, entrevistei o professor Nicomedes Almeida. Falamos do início de sua carreira no Ateneu, passagem por Cassimiro e Ipê, além de encerrar sua carreira no time da extinta Matsulfur. Como não poderia deixar de ser, ele trouxe uns causos de sua época para matar a saudade do torcedor. A entrevista foi ao ar dentro do programa Camisa 12 pela TV Geraes, mas pode ser revista na fanpage do programa: basta acessar www.facebook.com/programacamisa12 e assistir quantas vezes quiser.
  
Circuito Brasil Pirata
Por causa das benditas chuvas que caíram feito um aguaceiro neste fim de semana, o Circuito Brasil Pirata de Skate foi adiado para o próximo fim de semana, de Carnaval. A programação inicial é para dois dias de evento. Paralelo à competição, haverá rodas capoeira e shows com bandas de rock e bossa nova. Em outro momento, plantio de mudas de árvores na praça e imediações, além de um mutirão de limpeza. Ainda com parte da programação declamação de poesias, capoeira com participação dos mestres Zé Maria, Celso, Colgate, Neguinho, Tibas e Nelinho, além de palestras ecológicas e participação da turma do slackline e patins. No palco, shows com a banda Samba The Bossa, Marcílio Maia, Mateus e Marina, entre outros

Publicidade
Publicidade
Comentários