A importância das barragens

Raquel Muniz / 23/08/2017 - 04h03

A escassez de água sempre foi o grande desafio para a sobrevivência humana e animal, sobretudo no Norte e Nordeste de Minas Gerais, onde a estiagem é prolongada. Uma alternativa que sempre deu certo foi a construção de barragens abertas ou subterrâneas. A técnica desta última é relativamente simples. Consiste em captar e armazenar a água da chuva em pequenas valas abertas até a parte impermeável do solo. Depois cobre-se com lonas, terra e vegetação rasteira.

Já as barragens abertas são depósitos de água bem maiores com a finalidade de abastecer grandes áreas povoadas ou a atividade agropecuária. Há mais de quatro séculos as barragens vêm propiciando enormes benefícios. Apesar de o Brasil ter a maior reserva de água potável do mundo, sofremos problemas de contaminação de mananciais e irregularidade pluviométrica.

No entanto, necessitam de investimento financeiro, humano e ambiental, além de acompanhamento, monitoramento e manutenção, para garantir seu funcionamento e evitar acidentes. É exatamente isso que o governo de Minas vem fazendo.

Só para se ter ideia, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Sedinor) liberou R$ 9 milhões para as obras de ampliação do sistema de abastecimento de água do município de Montes Claros e R$ 4,2 milhões para a complementação da Barragem Viamão, em Mato Verde.

As obras em Montes Claros, que começaram a ser executadas no ano passado, vão garantir o abastecimento em toda a cidade e distritos da zona rural 24 horas por dia, sem sofrer interrupções. A capacidade de tratamento da Estação de Tratamento de Água (ETA) Verde Grande passará dos atuais 600 litros/segundo para 1.156 litros/segundo. Já a ETA Morrinhos, que será totalmente modernizada, passará dos atuais 250 para 400 litros/segundo. Além disso, um novo reservatório será construído com a capacidade de 11 mil metros cúbicos e mais dois reservatórios nos bairros Ibituruna e Sapucaia.

Essas ações têm o intuito de amenizar os efeitos da seca em todo o nosso estado. O total investido já chega a R$ 34 milhões para essa obra, que faz parte das ações do programa Água Para Todos, resultado de convênio firmado em outubro de 2016 entre o governo de Minas Gerais e o Ministério das Cidades.

Não resta dúvida que as barragens são importantes instrumentos de desenvolvimento, haja vista que propiciam a geração de energia hidrelétrica, o fornecimento de água, a regulagem das cheias e beneficia diretamente a irrigação.

Graças às barragens, o Brasil tem melhores condições de enfrentar os desafios da seca e proporcionar uma vida menos cruel para sua gente. Continuaremos nessa empreitada de ajudar os mineiros, das mais longínquas cidades, a terem água de qualidade durante todo ano. Esse é o compromisso que já estamos cumprindo.

Publicidade
Publicidade
Comentários