Jairo e Gil Pereira

Preto no Branco / 10/07/2018 - 08h36

O que mais chamou a atenção, por ocasião da reunião promovida pela pré-candidato ao Governo de Minas, Rodrigo Pacheco (DEM), em Montes Claros, no último sábado (7), foi a ausência do presidente do seu partido em Montes Claros, ex-deputado Jairo Ataíde e do deputado estadual do PP, Gil Pereira. Jairo coordena a agremiação no Norte de Minas e Gil é do mesmo partido da pré-candidata na chapa de Pacheco, Ana Paula Junqueira, esposa do prefeito de Uberlândia, Odelmo Leão(PP).
 
Estão com Anastasia
A justificativa para ausência do presidente do DEM de Montes Claros, Jairo Ataíde, e do deputado estadual Gil Pereira (PP) na reunião do pré-candidato ao Governo de Minas, Rodrigo Pacheco (DEM) é simples: Os dois já definiram pelo apoio à candidatura do senador tucano, Antônio Anastásia. Aliás, não será nenhuma surpresa se lá na frente, nas convenções, todos estiverem na mesma embarcação.
 
PPS define federal
Em reunião realizada sábado (7), em sua sede, o PPS de Montes Claros fechou questão em torno do apoio à candidatura do ex-secretário de Estado e funcionário de carreira da Cemig, Raimundo Benone, para deputado federal. Benone é natural de Salinas e já ocupou cargos na estrutura do Estado e no Ministério da Cultura. Como o prefeito Humberto Souto não participou e não tem participado de reunião do partido, ele fez questão de, no próprio sábado, procurar Souto para pedir apoio. O resultado foi dentro do esperado: Souto não disse que sim e nem que não. Ficou o dito pelo não dito.
 
Athos Avelino
O ex-prefeito de Montes Claros, Athos Avelino, que durante muito tempo foi a principal estrela do PPS no município, chegou à conclusão de que não fez um bom negócio ao deixar a agremiação para filiar no Rede. Acabou preso na própria Rede, já que a agremiação continua nanica e sem perspectiva. Avelino chegou no mês passado a anunciar intenção de disputar uma cadeira na Câmara Federal, mais pelo visto vai engavetar o projeto, conforme já vem declarando. Não encontrou espaço depois que se afastou do eleitorado da região, mudando de mala e cuia para Belo Horizonte.
 
Insegurança Jurídica
Infelizmente a população perdeu totalmente a confiança na Justiça. A operação Lava-jato apresentou de fato como age aqueles que deveriam ser os guardiões da Lei. A decisão do desembargador plantonista da TRF- 4, Rogério Favreto, que aproveitou seu plantão, no final de semana para mandar soltar o ex-presidente Lula, além de ter provocado insegurança jurídica, mostrou mais uma vez a necessidade de concurso para os tribunais superiores.
 
Piada Jurídica
Mesmo não sendo operador do direito, ficamos perplexos com a justificativa do desembargador Rogério Favreto, que determinou a soltura de Lula, argumentando que ele era pré-candidato e estava impedido de participar dos movimentos de sua campanha. Se de fato a “sugesta” fosse engolida, certamente, todos os políticos presos recorreriam ao expediente da pré-candidatura para serem soltos.

 

Publicidade
Publicidade
Comentários