Indução de Chuvas

Preto no Branco / 09/01/2018 - 05h58

Talvez com a preocupação de antecipar informação, foi divulgada na imprensa no final de semana de que já estava em Montes Claros aeronave da empresa Modclima, contratada pela Copasa para indução de chuvas na região da Barragem do Rio Juramento, o que aumentará a vazão da represa que abastece a cidade de Montes Claros. A informação correta é de que o avião só deve chegar na cidade entre hoje e amanhã, permanecendo por quatro meses, período de vigência de contrato feito com a Copasa no valor de R$ 1,291 milhão.

Homenagem a Francelino
O Norte de Minas, especificamente Montes Claros e Juramento, tem a oportunidade de homenagear um político que historicamente teve um carinho todo especial pela região e que faleceu no dia 21 de dezembro de 2017. Estou falando do ex-governador de Minas Francelino Pereira, responsável pela construção da Barragem de Juramento e que hoje responde pelo abastecimento de quase totalidade da população de Montes Claros. A sugestão da coluna é de que um dos deputados estaduais da região apresente na Assembleia Legislativa projeto denominando a local de Barragem Governador Francelino Pereira.
 
Eleição 2018
É fato de que nenhum analista político seria capaz de antecipar o resultado das urnas, principalmente numa disputa presidencial. De qualquer forma, é fácil prever que criar candidatura baseada na exposição na mídia nunca foi a garantia de vitória. No domingo, assistimos apresentador de TV Luciano Huck admitindo, durante participação no programa de Faustão, na Rede Globo, que pode ser candidato à Presidência da República pelo Renova. Até provem ao contrário, no momento não vejo maiores expectativas no projeto. Vale lembrar que o apresentador global tem forte ligação de amizade com o empresário Josué Gomes (PMDB), presidente do Grupo Coteminas.
 
Senadora por Minas
Até bem pouco tempo uma das conversas “no mundo político mineiro” era de que a ex-presidente Dilma Rousseff definiria se seria candidata a uma vaga no Senado por Minas Gerais ou pelo Rio Grande do Sul. Após o mês de outubro, a conversa esfriou sob o argumento de que não poderia disputar por Minas porque não teria transferido o seu domicílio eleitoral e sua filiação. Com a entrada do ano eleitoral, o assunto voltou à tona e tem gente dentro da própria agremiação argumentando que ela está apta a disputar pelo estado e que seria a primeira opção, já que no Rio Grande do Sul o seu partido está com 70% de rejeição. Consultando juristas e juízes eleitorais, estes não enxergam tal possibilidade.
 
Caso de Polícia
Em coluna anterior, comentamos que com as promoções ocorridas no final de ano na Polícia Militar de Minas e a mudança na estrutura da corporação, Montes Claros passaria a contar com cinco tenentes-coronéis e que havia vaga apenas para quatro. Depois de divulgarmos a movimentação, sobrou o tenente-coronel Marcelo Alves Coelho, que na semana passada teve sua situação definida e será transferido para a Cidade Administrativa na capital. 

Publicidade
Publicidade
Comentários