Corrupção e candidatura

Preto no Branco / 08/05/2018 - 01h37

Têm sido divulgadas, de forma constante, pesquisas de intenção de voto analisando diversos aspectos do processo eleitoral. O que mais se questiona é a renovação dos parlamentos em face das denúncias de corrupção. Até que se prove o contrário, como analista político e pelo resultado histórico dos últimos pleitos, não acredito que haverá renovação dentro dos índices que vêm sendo divulgados, pelo menos na disputa proporcional. No geral, o envolvimento com o ilícito afeta mais diretamente quem está na disputa majoritária. Em Minas, por exemplo, este índice pode sofrer um leve aumento, mais em função das dificuldades que poderão apresentar nas montagens das coligações proporcionais.

Novela MDB/PT
Pelo andar da carruagem, a tentativa de reconciliação e renovação do casamento entre PT e MDB em Minas foge das mãos da bancada de deputados emedebistas que, pensando com o “umbigo”, querem a todo custo a reedição da coligação, tanto na proporcional como na majoritária. Três fatos nos levam a entender o crescimento do distanciamento: a resistência do presidente do MDB, o vice-governador Antônio Andrada; o fato de a maioria dos delegados serem contra a reedição; e as demissões de petistas na ALMG por parte do presidente, deputado Adalclever Lopes. 
 
Reunião cancelada
O MDB de Montes Claros havia marcado para sexta-feira passada reunião do diretório para avançar na discussão das eleições deste ano. A reunião acabou sendo cancela em decorrência da incerteza e da queda de braço criado no Estado com o PT. 
 
Pesquisa
“Viralizou” nas redes sociais pesquisa de intenção de votos para o Governo de Minas, que teria sido realizada entre os dias 26 e 30 de abril por reconhecido instituto. Independentemente da metodologia utilizada para o levantamento, o certo é que os números refletem o que estamos assistindo por meio das manifestações do eleitorado. Os dados divulgados trazem por ordem Antonio Anastasia, Fernando Pimentel, Marcio Lacerda, Dinis Pinheiro e Rodrigo Pacheco. O que o leitor comum precisa entender é que somente teremos uma leitura ampla do processo depois de definidas as chapas na majoritária e as coligações. 
 
Votos de Pimentel
Em qualquer pesquisa de intenção de voto que for realizada em Minas no atual momento, os números serão semelhantes. Os índices atribuídos ao governador Fernando Pimentel tendem a se estagnar ou sofrer pequena queda. Os números refletem o apoio dos eleitores de esquerda e de ocupantes de cargo de confiança, já que do ponto de vista administrativo o atual chefe do Executivo não registra ganho. Quanto à rejeição, é natural que Pimentel, Anastasia e Marcio Lacerda, nomes com maior visibilidade no processo, apareçam liderando. O que preocupa ao atual governo é o índice de 54% de rejeição do chefe do Executivo. 
 
Voto para Senado
Sobre a disputa pelo Senado, ainda não é possível fazer qualquer leitura. O fato de Dilma Rousseff aparecer na liderança é mais do que natural, uma vez que é a única candidatura divulgada como certa. É preciso ainda levar em consideração que se trata de uma ex-presidente, cujo nome continua em voga, seja do ponto de vista negativo ou positivo.

Publicidade
Publicidade
Comentários