Greve I

Plenarinho / 31/05/2018 - 06h30

Nas últimas horas o governo federal começou a respirar depois de 10 dias vivendo um inferno astral diante da paralisação. Agora avalia que o País está “caminhando rumo à normalidade” e garante que já não há mais pontos de bloqueio em rodovias e que o abastecimento está sendo retomado “progressivamente”. Esse é o balanço das tratativas pelo fim da greve dos caminhoneiros informado pelos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Carlos Marun (Secretaria de Governo) e Sérgio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional). Também, no relatório do gabinete de gestão da crise de Minas Gerais enxerga como quase resolvida a questão.

Greve II
De acordo com boletim emitido por Brasília, o número de cargas transportadas dobrou nas últimas 24 horas e estão sendo abertos “corredores de abastecimento” nas rodovias do País, mas a ação de “infiltrados” nos protestos da greve dos caminhoneiros tem dificultado a completa desmobilização da categoria. “Estamos caminhando rumo à normalidade. Evidentemente ainda temos muito a andar. Estamos retomando progressivamente, mas ainda não é o que nós necessitamos”, reconheceu o ministro Padilha. 
 
Centrais sindicais
Agiu certo as centrais sindicais que, em sua maioria, não se envolveu com a crise deflagrada. Foram poucas as bandeiras do PT, CUT, MST que foram vistas com os caminhoneiros. O alto comando da categoria em nenhum momento aceitou o uso político do movimento, já que os reflexos poderiam ser piores, correndo até o risco de colocarem a culpa no presidente Lula, como disse um deles a esta coluna. Mas é preciso esclarecer que sete infiltrados foram presos no Maranhão, já que incitavam a violência.
 
Candidatos
Apenas dois pré-candidatos ao cargo de deputado daqui de Montes Claros estiveram dentro do movimento. Nenhum deles pediu votos, já que a maioria dos manifestantes eram de outros Estados da Federação, portanto, sem voto aqui. Mas de qualquer maneira deve-se registrar a solidariedade deles com os profissionais do volante.
 
Carmen Lúcia
O fato de ser o orgulho dos norte-mineiros parece que não emociona a presidente do Superior Tribunal Federal, ministra Carmen Lúcia. Por diversas vezes ela foi convidada a vir a região para ser homenageada, mas sempre na última hora a “agenda“ impede de comparecer. Deixando obviamente todos constrangidos.

Publicidade
Publicidade
Comentários