Denúncia

Plenarinho / 10/01/2018 - 06h00

Constrangedora a situação provocada por uma jovem que nasceu em Porteirinha. Ela postou que está grávida do padre Reginaldo Manzotti e que teria se encontrado com ele algumas vezes nos bastidores de shows. Imediatamente assessoria imprensa emitiu nota oficial: “A assessoria de imprensa do Padre Reginaldo Manzotti esclarece à imprensa que a notícia recebida na segunda-feira, dia 8 de janeiro de 2018, sobre a jovem, de 21 anos, supostamente grávida do padre, do norte de Minas Gerais, é falsa. O sacerdote desconhece a jovem mencionada. Frisamos que o mesmo é um Padre e segue o seu sacerdócio de forma primorosa e fiel”. 

Convite
O vereador ambientalista Soter Magno, ligado ao grupo de Gil Pereira, está sendo assediado por algumas lideranças que querem a sua candidatura à Assembleia Legislativa. Magno, em contato com este jornalista, confirma que o fato existe, mas que está muito tarde para tomar a decisão, as eleições serão em outubro, e que prefere trilhar o atual caminho da vereança, para no futuro, saber ao certo para onde vai.
 
Aviões da chuva
Os famosos aviões da chuva já chegaram a Montes Claros, mas, de acordo com a Copasa, ainda não há data definida para o começo dos trabalhos. O processo durará cerca de quatro meses. A companhia prevê induzir chuvas nas nuvens acima da Barragem de Juramento e Montes Claros. É bom lembrar como já havíamos antecipado que o avião jogará água dentro da nuvem. É um processo novo e desenvolvido por um brasileiro. Já foi usado, inclusive, na Cantareira, para fazer chover. Por ser um processo natural não há previsão de conseqüências.
  
Carnaval
Nota-se claramente que o clima de Carnaval em Montes Claros não existe. A prefeitura quer realizar o evento em apenas um dia, segundo informações extra-oficiais, no que não concorda os carnavalescos. Também, o Encontro de Blocos na Praça dos Jatobás precisa ser esclarecido em maiores detalhes. Cuidado com o fiasco. 
 
Veto
Repercutiu aqui no interior o veto feito pelo governador Fernando Pimentel (PT) do projeto de lei (PL) que foi aprovado em dezembro pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e que previa a proibição do uso de celulares nas escolas do Estado. Ele vetou ainda um outro PL que tratava sobre a certificação de informações de sites governamentais. Os vetos foram publicados na edição do último sábado (6) do Diário Oficial de Minas Gerais. O primeiro veto foi para o texto que tramitou na Casa na forma do Projeto de Lei (PL) 770/15, que alterava a Lei 14.486, de 2002, sobre o uso de telefone celular em salas de aula, teatros, cinemas e igrejas. Para justificar o seu veto, Pimentel afirmou que a norma seria contrária ao interesse público, uma vez que poderia restringir o uso saudável destes dispositivos eletrônicos em atividades pedagógicas e culturais. Segundo o governador, haveria a chance da medida ser interpretada de várias formas nas instituições de ensino e, até mesmo, gerar sanções autoritárias em relação ao uso de celulares. 

Publicidade
Publicidade
Comentários