Campeã de emendas

Plenarinho / 26/10/2017 - 01h15

A deputada federal Raquel Muniz, mais votada em Minas nas últimas eleições entre as mulheres, está partindo para mais um título. Bicampeã da mesma modalidade. Como ela sabia que na sexta-feira a Comissão Mista do Orçamento receberia as propostas orçamentárias para o ano que vem até a última sexta (20), a parlamentar e o seu gabinete praticamente passaram a noite distribuindo os recursos para milhares de mineiros. Foram 8.262 emendas para atender os parlamentares e ela se destacou protocolando pedidos para diversas áreas, principalmente para saúde e educação.

 
Cidade Administrativa
O prefeito Humberto Souto pode marcar a sua administração reconhecendo que o prefeito Ruy Muniz estava certo ao negociar o terreno da Coteminas onde seria construída a cidade Administrativa tão sonhada. Fala-se nos bastidores que ele confirma contatos com os antigos proprietários do terreno. Renegociam as pendências e, assim, pretendem confirmar que a prefeitura será instalada no local anteriormente defendido por Muniz. Além de pensar na Montes Claros do futuro, demonstra que está pensando grande neste tipo de investimento.
 
Cidade Administrativa II
Ainda sobre este ato administrativo, Souto teria ouvido especialistas no assunto urbano, que retificaram para ele que Montes Claros mais cedo ou mais tarde terá que transferir a sede para outro local, pois além de estar pessimamente localizada, a prefeitura não comportaria em pouco tempo a demanda de uma cidade com 500 mil habitantes e com órgãos municipais descentralizados. O ex-prefeito Ruy Muniz, mais uma vez, emplaca para a cidade uma ideia futurista.
 
Taxistas x uber
Ontem pela manhã os taxistas e os donos de Uber estava na expectativa da votação que ocorreria no Senado sobre a legalização deste novo tipo de transporte. Depois de muito disse não disse, a votação ficou para a próxima quarta-feira. Na verdade, o clima não é bom em Montes Claros, e a tensão começa a ficar muito tensa em torno do assunto.
 
Decreto contestado
O vereador ambientalista Sóter Magno, em conversa com este jornalista, deu a sua opinião a respeito do decreto que disciplina o uso de água de poço artesiano nas residências da cidade. Funcionário aposentado da Copasa, Sóter disse que o decreto é inconstitucional e que não deveria ter ido a plenário na Câmara Municipal, apesar de ter advertido os colegas.” “O cidadão tem o direito de ir e vir e também administrar o que construir em seu terreno. Não se pode exigir que ele abasteça a Copasa sem nenhum direito”.
 
Soebrás
As críticas se avolumam. Pequeno grupo que trabalha 24 horas contra instituições de ensino e hospitalares para beneficiar outros grupos chegou ao limite total. Questionam o desbloqueio de recursos daquela instituição e também o credenciamento e a liberação de recursos para o Hospital Dr. Mário Ribeiro da Silveira. Agora reconhecida e elogiada pelo ministro Ricardo Barros, da Saúde, e também pelo governo de Minas, com certeza, quem ganha é uma população carente de saúde.

Publicidade
Publicidade
Comentários