‘Barbas de molho”

Plenarinho / 10/02/2018 - 06h53

A prisão do deputado João Rodrigues, cumprindo determinação do STF, vai colocar muita gente em alerta. Ele foi condenado em segunda instância a cinco anos e três meses em regime semiaberto por dispensa irregular de licitação. Um dia depois de o STF mandar prendê-lo, o deputado disse que estava sendo usado de ‘bode expiatório’ para prender Lula. A acusação é de quando Rodrigues assumiu interinamente a prefeitura de Pinhalzinho (SC), por 30 dias, em 1999. O caso iria perder a validade ainda neste mês de fevereiro, mas a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu que a pena fosse cumprida imediatamente em dezembro do ano passado. Já o ex-presidente foi condenado a 12 anos e um mês, em segunda instância e, caso não consiga reverter a sentença, correr o risco também de ter sua prisão decretada. 

Dinis
Cresceu muito nos últimos dias uma hipótese do ex-presidente da Assembléia Legislativa, Dinis Pinheiro, desistir da candidatura ao governo de Minas, mudar de partido, deixando o PPS, e até mesmo declarar apoio a Márcio Lacerda, e com possibilidade de vir a ser o vice na chapa majoritária ao lado do candidato socialista. Mas como estamos em fase de especulações é claro que a sua assessoria deve se pronunciar após o Carnaval.
 
Show de Carnaval
Definitivamente, o Carnaval de Belo Horizonte esvaziou completamente os eventos de Ouro Preto, Diamantina e em outras cidades ao entorno da capital. Com milhares de foliões saindo às ruas com certeza que o faturamento de hotéis, motéis, e pousadas vai triplicar. A originalidade funcionou desta vez. Aqui na região, Márcio Lacerda, que quando prefeito de BH apoiou a idéia, comemora.
  
Tribunal de Contas 
Levantamento feito pelo Tribunal de Contas de Minas Gerais (TCE-MG) aponta que 75% das cidades mineiras não enviaram dados ao Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação (Siope), administrado pela FNDE. Por isso, foram incluídos como inadimplentes junto ao Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias (Cauc). O prazo para a prestação de contas dos últimos dois bimestres de 2017 expirou em 30 de janeiro. Segundo o site do FNDE, Montes Claros não apresentou nenhuma das seis prestações de contas exigidas para os repasses de 2017. A procuradoria deve agir.
 
Preocupado
Com isso, tem razão do prefeito Humberto Souto demonstrar preocupação com a retenção de recursos. Montes Claros está entre os 643 municípios de Minas Gerais que estão impedidos de receber recursos repassados pelo governo federal por meio de novos convênios. O motivo é a falta de prestação de contas ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). A medida representa um baque nos cofres das prefeituras, que pode ter reflexo na prestação de serviços aos moradores

Publicidade
Publicidade
Comentários