Projeto aprovado para ‘Uber’

Redação Tech / 02/11/2017 - 11h36

Foi votado no Senado o polêmico projeto de lei PLC 28/201, que regulamenta aplicativos de transporte como Uber, Cabify e 99 POP. O debate em regime de urgência aprovou o projeto de lei, mas removeu os pontos mais polêmicos que obrigavam os carros a terem placas vermelhas e que o condutor fosse o proprietário comprovado do automóvel. Outras obrigatoriedades óbvias foram confirmadas: contribuição comprovada no INSS e seguros APP (Acidentes Pessoais a Passageiros) e DPVAT. Agora, como foram realizadas alterações no projeto, a lei volta para a Câmara dos Deputados. Se aprovada novamente e sem alterações, passa direto para a assinatura do presidente Michel Temer — que é o último passo. Quando aprovada, a lei valerá para todo o Brasil e autorizará definitivamente o uso desses aplicativos. As prefeituras poderão apenas fiscalizar o serviço e cobrar os impostos, além de receber a base de dados das empresas com a quantidade dos motoristas e informações adicionais sobre eles. 
O Uber e o Cafiby emitiram notas parabenizando os políticos e afirmando que as vozes da população foram acatadas. Eles conseguiram 825 mil assinaturas coletadas em todo país na campanha contra a regulamentação original.

Corra para apagar
O aplicativo de mensagens WhatsApp liberou, agora em definitivo para todos os usuários, a nova função que permitirá que mensagens já enviadas sejam deletadas. O novo recurso funciona tanto para mensagens individuais quanto para grupos. Para usar o novo recurso, basta selecionar uma mensagem, escolher “apagar” e em seguida “apagar para todos”. O que ainda preocupa é que as mensagens podem ser deletadas somente em até sete minutos após o envio. Uma falha na conexão, ou não perceber que enviou algo errado, pode deixar a mensagem disponível. Então, é preciso se arrepender rápido. Tanto as lidas como ainda não lidas podem ser deletadas. No lugar da mensagem, aparece o aviso ‘esta mensagem foi apagada’. A novidade funcionará em aparelhos iPhone, Android, Windows Phone e a versão desktop do WhatsApp. Para usá-la, é preciso que o destinatário e o remetente estejam usando a última versão do aplicativo.

Edge travou
O apresentador da Microsoft utilizava o navegador Edge para mostrar alguns recursos de máquina virtual do sistema Azure quando browser travou no meio da apresentação ao vivo, com isso, ele foi obrigado a baixar e instalar o Google Chrome em meio à demonstração. No vídeo é possível ver que o apresentador fica envergonhado com a situação e pede desculpas ao público, que apenas dá risada. Depois, ele carrega novamente a página no Chrome e prossegue a sua apresentação como se nada estivesse acontecendo. O mais curioso é que ao procurar pelo Chrome no buscador Bing, o apresentador se depara justamente com um anúncio da Microsoft que destaca as maravilhas do seu próprio navegador, herdeiro do Internet Explorer. Este caso aconteceu há um mês, mas foi relembrado ontem na internet. Você pode ver o vídeo utilizando esse endereço no seu navegador goo.gl/BDZvh1 (no minuto 37)

 

Publicidade
Publicidade
Comentários