Sobra compaixão

Editorial / 31/05/2018 - 06h30

Se falta combustível em todo o Brasil, sobrou solidariedade ontem em Montes Claros. Solidariedade vinda de um grupo de caminhoneiros que há vários dias fecha a BR-251. Ao ver que os alimentos que transportavam estavam prestes a estragar, pediram permissão aos patrões e transportaram a carga até o bairro Maracanã, onde abasteceram a despensa do Asilo São Vicente, tornando mais farta a mesa de 112 idosos. Os produtos dos agricultores familiares não chegam à instituição devido à escassez de combustível imposta pelo movimento na estrada.

Ao levar os alimentos para quem precisa, em vez de jogá-los no lixo, os caminhoneiros mostraram sensibilidade com a população. Conseguiram separar os atos em busca de reivindicações da categoria a necessidade dos cidadãos que, mesmo longe da estrada, sofrem com os rumos do movimento que já dura mais de uma semana. 

Embora situações caóticas ao longo da história nos remetam, na maior parte do tempo, a imagens de escassez, sofrimento e falta de entendimentos entre as várias partes afetadas, é bom destacar que crises também dão espaço à compaixão. 

Algumas delas marcaram a História, como a de um soldado da Alemanha Oriental que, ignorando ordens para não deixar ninguém passar, ajudou um menino encontrado no lado oposto ao da família, a atravessar o “Muro de Berlim”. Isso aconteceu durante a Guerra Fria, em 1961. 

Claro que o Brasil não vive uma guerra, mas um momento em que a população vem sendo penalizada. Neste processo, amor e solidariedade são essenciais par aliviar qualquer dificuldade. 

Ao levar os alimentos para o asilo, em vez de jogá-los no lixo, caminhoneiros mostraram sensibilidade com a população 

Publicidade
Publicidade
Comentários