Não vale brincar

Editorial / 10/08/2018 - 07h00

A importância da vacinação das crianças é negligenciada pelos pais e responsáveis em Montes Claros, colocando milhares de pequenos em risco de contrair doenças que podem deixar graves sequelas ou levar à morte. Na última semana, reportagem de O NORTE abordou os perigos de não se vacinar contra o sarampo, doença erradicada no país, mas que bateu às portas novamente importada da vizinha Venezuela. 

Apesar de os postos terem à disposição doses gratuitas para proteção contra a doença, milhares de crianças ainda não haviam sido imunizadas contra o sarampo na cidade. 

Nesta semana, as autoridades de saúde têm uma nova preocupação: as doses contra meningite sobram nos postos de saúde da cidade e a cobertura vacinal de crianças de até um não chega a 64%. O índice é mais crítico entre os adolescentes – 18,4% na faixa dos 12 anos e 5,44% nos de 13 anos –, idade em que é necessário dose de reforço.

Os números geram mais preocupação ainda por estarmos no inverno, época em que os casos de meningite bacteriana são mais comuns. Não vale brincar. A doença pode provocar a morte ou deixar sequelas, como dano cerebral, perda de audição, hidrocefalia e convulsão. 

A única forma de prevenir é com a vacina. Portanto, quem tem crianças e adolescentes deve verificar se a vacinação está em dia. Se não estiver, a orientação é correr até uma unidade de vacinação. Além de evitar um sofrimento para a criança e toda a família, vacinar-se é um gesto de respeito às pessoas que vivem ao lado, que também podem se contaminar.

Não vale brincar. A meningite pode provocar a morte ou deixar sequelas, como dano cerebral e perda auditiva

Publicidade
Publicidade
Comentários