Sem representação

Direto de Brasília / 30/06/2018 - 10h40

Pesquisas mostram que a maioria dos eleitores do país não estão dispostos a votar em candidatos envolvidos em casos de corrupção nas eleições deste ano. Com o grande número de pré-candidatos com pendências na Justiça, o eleitor certamente terá dificuldade em votar. 

Defesa de Lula
O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), liberou, para ser pautado pelo plenário da Corte, um recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra sua condenação em primeira instância, confirmada pelo Tribunal Regional Federal da Região (TRF4). Agora, o recurso depende da ministra Cármen Lúcia para ser pautado e votado no Pleno.

Lula candidato
Enquanto a defesa de Lula trabalha para tirá-lo da prisão, petistas se mobilizam para garantir candidatura do ex-presidente. Na quinta-feira (28), o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, coordenador da pré-campanha presidencial do partido, e a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, visitaram o ex-presidente, na prisão em Curitiba. Após a visita, eles reafirmaram que Lula será inscrito como candidato no dia 15 de agosto. 

Denúncia contra Bolsonaro 
Em parecer enviado ao ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, na quinta-feira (28), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu o recebimento da denúncia contra o deputado federal e pré-candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro (RJ), por suposto racismo praticado contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs. Para a procuradora, expressões utilizadas pelo deputado ultrapassam a liberdade de pensamento e transbordam para conteúdo discriminatório e preconceituoso.

Investigação de temer
A Polícia Federal pediu ao Supremo Tribunal Federal mais 60 dias para concluir as investigações no inquérito que apura se o presidente Michel Temer favoreceu empresas do setor portuário ao assinar um decreto em maio de 2017. O prazo de investigação termina, em tese, na primeira semana de julho.

Prisão de Cunha revogada
Em decisão liminar, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello, determinou a revogação da prisão preventiva do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) decretada pela Justiça Federal do Rio Grande do Norte. O ex-deputado, no entanto, deverá permanecer preso por ser alvo de ordens de prisão preventiva em outros processos. Na decisão, Marco Aurélio afirma que Cunha deverá ser solto apenas "caso não esteja recolhido por motivo diverso”.

Publicidade
Publicidade
Comentários