Sem apoio

Direto de Brasília / 04/01/2018 - 00h09

Por falta de apoio, o deputado federal Paulo Fernandes (PTB-MA), que havia sido indicado para ser o titular do Ministério do Trabalho, não será mais empossado nessa quinta-feira. Isso porque o ex-presidente José Sarney (MDB) não referendou o nome do parlamentar, que é aliado do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). Sem o aval de Sarney, o presidente Michel Temer pediu que o PTB indicasse outro nome. 

Teto para os gastos
Na terça-feira (2), o presidente Michel Temer sancionou a Lei Orçamentária da União (LOA) de 2018, que define as receitas e as despesas dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário para 2018. Essa foi a primeira proposta orçamentária elaborada sob a vigência da Emenda Constitucional 95, promulgada em dezembro de 2016, que estabeleceu um teto para os gastos públicos. O Orçamento da União de 2018 aprovado pelo Congresso tem um valor de R$ 3,5 trilhões, incluindo o refinanciamento da dívida pública. 
 
Superávit
A balança comercial brasileira registrou superávit de R$ 67 bilhões em 2017, o melhor resultado da série histórica, iniciada em 1989. O recorde anterior era de 2016 e somava R$ 47,683 bilhões. De acordo com o ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços as exportações registraram crescimento pela primeira vez em cinco anos (18,5%) e as importações aumentaram pela primeira vez depois de três anos consecutivos de queda (10,5%), indicando a retomada do crescimento econômico do país.
 
Cortes
A Lei Orçamentária da União (LOA) sancionada na terça-feira prevê que os gastos vão superar as receitas em cerca de R$ 157 bilhões, abaixo do déficit permitido pela meta, que é negativa em R4 159 bilhões. A LOA também veta a destinação de um recurso extra de R$1,5 bilhão para o Fundo de Manutenção do Ensino Básico. Ao vetar o recurso extra, o presidente Michel Temer lembrou que esse fundo já havia sido contemplado com um aumento de cerca de R$14 bilhões em relação a 2017.
 
Desemprego
As projeções dos especialistas para o mercado de trabalho em 2018 não são muito animadoras. Um levantamento feito pela Folha junto a profissionais das 11 instituições que mais acertaram as estimativas para a economia brasileira em 2017 mostra que a taxa de desemprego no país ficará acima de dois dígitos - em torno de 12%. Os mais otimistas estimam uma leve melhora, com a taxa ficando pouco acima de 10%, mas ainda é muito distante do piso de 6,2% registrado em 2013, quando o desemprego começou a aumentar.  
 
(IN) Segurança
De acordo com dados do Conselho Nacional de Justiça, 51,58% dos presos em flagrante no Distrito Federal ganham o benefício de aguardar o julgamento em liberdade, 24 horas depois do crime. De todas as unidades da Federação, o DF alcança a quarta posição entre as que mais soltaram acusados em 2015 e 2016. Segundo especialistas, a liberdade provisória não significa impunidade e a medida serve para equilibrar o sistema prisional

Publicidade
Publicidade
Comentários