Oportunidade

Direto de Brasília / 08/05/2018 - 00h30

Até o fim do ano, o Sírio-Libanês irá instalar nova unidade de saúde no Distrito Federal, disponibilizando 500 vagas técnicas e administrativas em diversas áreas. O processo de recrutamento e seleção deve ocorrer ainda no primeiro semestre de 2018. Serão 3 meses de treinamento antes da inauguração. Os primeiros profissionais a serem contratados serão enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, nutricionistas e auxiliares administrativos. Os benefícios incluem assistência médica e odontológica, seguro de vida, vale alimentação e refeição, convênio farmácia e vale transporte. Para participar da seleção, os candidatos devem enviar o currículo para o e-mail: selecao@hsl.org.br. 

Reforma suspeita
A filha do presidente Michel Temer, Maristela Temer, prestou depoimento à Polícia Federal, na semana passada, no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, sobre a reforma da casa dela. A polícia queria saber de Maristela qual é a origem do dinheiro usado na reforma. Segundo as investigações, o ex-coronel João Batista Lima, que é amigo do presidente Temer, bancou a reforma com R$ 1 milhão. Os investigadores suspeitam que seja de propina da JBS.
 
Estados em crise
Liderados por Minas Gerais, estados pressionam a União pelo repasse de cerca de R$ 14 bilhões dos programas de refinanciamento de dívidas, os Refis. O argumento é de que, nesses programas, há o pagamento de Imposto de Renda e de Imposto sobre Produtos Industrializados, tributos que têm de ser divididos com estados e municípios. O governador Fernando Pimentel (PT) enviou notificação extrajudicial ao governo federal pedindo a regularização desses repasses, que seriam incorporados ao Fundo de Participação dos Estados.
 
Foro privilegiado 
Em decisão histórica, o STF restringiu o foro privilegiado para deputados federais e senadores, que só serão processados na Corte quando investigados por crimes relacionados ao mandato, durante o exercício do cargo. Entre os casos que serão enviados à primeira instância estão os dos senadores Aécio Neves e Fernando Bezerra. Autor da proposta, o ministro Luís Roberto Barroso disse que a decisão é “simbolicamente importante” por limitar um regime de privilégio, mas que “há muitas situações em aberto”.
 
Correios fecham agências
A direção dos Correios aprovou plano para fechar 513 agências e demitir 5.300 trabalhadores. Segundo o ex-presidente da estatal, Guilherme Campos, o número de demissões poderá ser ainda maior, caso a empresa não consiga arcar com as dívidas trabalhistas

Publicidade
Publicidade
Comentários