Ministério do Trabalho

Direto de Brasília / 05/01/2018 - 07h05

Presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), o ex-deputado Roberto Jefferson se emocionou ao anunciar à imprensa, na quarta-feira (03), que a filha, Cristiane Brasil, que também é deputada, ocupará o cargo de ministra do Trabalho. Roberto Jefferson foi uma das figuras centrais no escândalo do Mensalão e chegou a ser condenado pelo STF, mas teve a pena perdoada no ano passado. À imprensa, ele explicou que as lágrimas eram devido à emoção do “resgate” que vive com a indicação da filha ao ministério. A primeira indicação do PTB para o cargo foi o deputado Paulo Fernandes (PTB-MA), mas a sugestão foi vetada pelo ex-presidente José Sarney (PMDB). Questionado, Sarney negou o veto.

Dança das cadeiras
Também na quarta-feira, o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, pediu demissão ao presidente Michel Temer, em reunião no Palácio do Planalto. Pereira explica que deixa a pasta para se dedicar a questões pessoais e partidárias, mas prometeu que ele e seu partido, o PRB, continuarão comprometidos com as reformas. Com a saída de Marcos Pereira, o governo Michel Temer teve a terceira baixa de ministro em menos de um mês. Marcos Pereira é um dos ministros investigados na Operação Lava-Jato. 
 
Despesas obrigatórias
O Orçamento Geral da União de 2018, publicado pelo Governo Federal nesta semana, prevê um crescimento de R$ 66,5 bilhões nas despesas obrigatórias em relação ao ano passado. A maior parte da alta (R$ 36,6 bilhões) vem dos gastos da Previdência Social. A segunda maior alta decorre das despesas com o funcionalismo federal, que passarão de R$ 285,89 bilhões para R$ 297,85 bilhões, alta de R$ 11,96 bilhões. O Orçamento também prevê alta com os benefícios trabalhistas (abono salarial e seguro-desemprego) e dos benefícios assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social (Loas). Para reduzir os gastos públicos e conter o endividamento, o governo propõe a reforma da Previdência, com a justificativa de economizar R$ 600 bilhões nos próximos dez anos.
 
Pastor é detido suspeito de abuso
Um pastor de 77 anos foi preso na quarta-feira pela Polícia Civil de Goiás por suspeita de cometer o crime de estupro de vulnerável e a contravenção de importunação ofensiva ao pudor contra duas crianças, uma de 11 e outra de 12 anos. De acordo com a PC, o pastor vivia no mesmo condomínio que as vítimas e teria oferecido doces e frutas para atrair uma delas, a de 11 anos, e, após levá-la para a casa onde ele morava, praticava os abusos. De acordo com a Polícia Civil, a vítima relatou que a violência era frequente e o caso mais recente teria ocorrido em meados de dezembro.

Publicidade
Publicidade
Comentários