O dia seguinte

Coluna Esplanada / 02/03/2018 - 05h56

A queda do delegado Fernando Segovia da direção-geral da Polícia Federal se estende a toda a sua diretoria montada há apenas três meses. Segovia pode ganhar um prêmio de consolo, cotado como adido policial na Embaixada do Brasil em Roma. Nos corredores, é aposta que o policial Cláudio Gomes deve sair da Diretoria de Inteligência Policial para cargo fora da PF e em seguida se aposentar. O número 2 da PF, delegado Sandro Avellar – que já foi candidato a deputado federal pelo PMDB – tem portas abertas de volta ao partido. E um dos mais experientes do grupo, delegado Eugênio Ricas, pode retornar ao Espírito Santo, onde foi secretário de Segurança.

Na urna
Ricas e Avellar são dois delegados cotados para serem candidatos a deputados este ano.
 
Do coldre
Em nota, a Fenapef, dos policiais federais, reforça que sempre apoiou os delegados cotados para o cargo antes de Segovia, inclusive o substituto Rogério Galloro.
 
Derrapagem virtual
Os sistemas online da ANTT têm registrado seguidos problemas. A agência informa que ‘Os números são satisfatórios e adequados às orientações do Plano de Tecnologia’.
 
Moreira Air
Pré-candidato a deputado federal, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, tem usado os jatinhos da FAB para ir para casa (em alguns casos nos fins de semana) para visitar seu reduto eleitoral, com a justificativa legal de ‘Segurança’ nos registros dos voos da Força Aérea. Nos últimos três meses, além do dia 7 de dezembro (DF-RJ), Moreira viajou dia 21 (quinta) de dezembro para esticar o Natal no Rio, vindo de Franca com Rodrigo Maia, com escala em Brasília. Em janeiro, foram mais dois voos para casa: dias 19 (sexta) e 30 (terça). Em fevereiro, mais três trechos DF-RJ: Dias 5 (segunda), 16 (sexta) e 22 (quinta). Alegou Segurança em todas as justificativas. A assessoria do ministro informa que, como “coordenador do plano Avançar, o ministro tem vários eventos pelo Brasil entregando e fiscalizando obras e programas. Alguns deles no Rio de Janeiro”. Moreira também tem viajado para outras capitais em agenda.
 
Voltando
Alguns deputados federais antigos em Brasília têm preferido outros rumos. O federal Luiz Fernando (PP-MG) vai tentar a Assembleia de Minas.
 
Acorda, Rio
Ao reafirmar apoio à intervenção na segurança do Rio de Janeiro, o deputado Miro Teixeira (Rede-RJ) pondera que as ações do Governo no Estado não podem “parar por aí”. O parlamentar afirma que “passou da hora” de as autoridades retomarem o controle de “territórios” controlados por criminosos. Leia-se também milícias. Sobre eventuais excessos nas operações dos militares, o deputado - que apoia a intervenção - reforça que, se houver, irá denunciá-las: “Não temo que haja (excessos). Se tiver vou lá pessoalmente denunciar, como fiz na ocupação do Morro do Borel”.
 
Guerra..
A polêmica em torno do auxílio-moradia dividiu entidades que representam juízes e magistrados. De um lado, a Associação dos Juízes Federais (Ajufe), que defende greve caso do STF derrube a regalia. Do outro, a Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis) que taxa como “equivocada” a estratégia da Ajufe.

Publicidade
Publicidade
Comentários