Novo risco

Coluna Esplanada / 30/05/2018 - 00h23

A paralisação de três dias – quarta a sexta – dos petroleiros pode interromper a produção de combustíveis nas refinarias da Petrobras e causar estrago nas ruas maior que a dos caminhoneiros. A petroleira é responsável por 90% da produção no país. As reservas nas refinarias são escassas diante do alto consumo. Técnicos consultados pela coluna informam que o cenário pode piorar se desligarem a produção. A paralisação foi anunciada pela Federação Única dos Petroleiros, ligada à CUT.

Rio-SP
Dois aeroportos não sofrem de imediato eventual paralisação. Galeão e Cumbica são abastecidos por dutos diretos de refinarias. E têm grandes tanques de reserva.
 
Efeito no campo
A Bahia Farm Show, maior evento do agronegócio do Nordeste, em Luís Eduardo, adiou a feira para 5 a 9 de junho, por causa da greve. E ainda corre risco.
 
Sem noção
Com milhares na fila para remarcar voos, e gente com galão nas costas nos postos, o ministro Carlos Marun gravou vídeo a bordo de jatinho da FAB defendendo o governo.
 
E agora, Paulão?
Quando o preço dos combustíveis subia diariamente, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), ria à toa, pois o ICMS é de 29% sobre os produtos. Hoje, com os postos ‘secos’, não dá uma palavra. Em tempo, o ICMS de São Paulo, Espírito Santo e Rio sobre o combustível é de 12%.
 
Sem tabaco
A Agência Nacional de Saúde Suplementar realizará roda de conversa com funcionários para sensibilizar quanto aos danos causados pelo tabagismo e apresentar o Programa de Controle do Tabagismo da Secretaria Municipal de Saúde do Rio. 
 
Planejamento
O Rio de Janeiro poderia ter sofrido mais com a falta de combustíveis. Há 20 anos, a rede de GNV pulou de 19 postos na capital para 540 em todas as cidades. São mais de 1 milhão de veículos movidos a gás. O plano foi do então secretário de Energia, o engenheiro Wagner Victer. 
 
Consultoria 
Victer, hoje secretário de Educação, foi o consultor do gabinete de crise do Palácio Guanabara no fim de semana. E na contramão de outros estados, manteve aula na rede. 
 
Dedo na tomada
Contrários à venda da Eletrobras, os deputados Arlindo Chinaglia (PT-SP) e Danilo Cabral (PSB-PE) são autores, no total, de 102 emendas. Já o vice-líder do governo, Leonardo Quintão (MDB-MG), quer derrubar o texto do relator José Aleluia com voto em separado. Propõe que as ações das subsidiárias da Eletrobras (Furnas, Chesf, Eletronorte e Eletrosul) sejam vendidas sem desestatizá-las.
 
Lei de Anistia
A revelação da CIA com a confirmação de que o ex-presidente Geisel autorizou a execução de opositores do regime militar reforça a necessidade de revisão da Lei de Anistia. A afirmação é do ex-procurador-geral da República Cláudio Fontelles.
 
Sem Prescrição
O jurista diz que a Constituição de 1988 é clara: crimes como homicídio e tortura praticados por agentes do Estado não prescrevem: “O STF já se pronunciou, mas não houve trânsito em julgado. É hora de o Supremo se pronunciar”.

Publicidade
Publicidade
Comentários