Do alto, sobrevoando o local onde iria dar mais uma de suas brilhantes palestras, podia divisar a cada rodopio do helicóptero que o transportava, os olhares curiosos e a ansiedade daquela multidão ávida a ouvir suas pérolas de sabedoria... O imenso auditório estava repleto quando começou sua apresentação inesquecível para aquelas mentes e corações que vieram de todas as partes da região para assisti-lo...

“Não existe perda, só existe ganho!”. Iniciou Ele, a sua esperada fala, arrancando suspiros e delírios da plateia que já o aplaudiam de pé! “Este é um Universo de possibilidades!”. Continuou inabalável, ante a reação estrepitosa de seus ouvintes...

“Cada um de nós tem uma contribuição inédita a dar neste planeta!”. Completou, iniciando a história que queria contar aquele dia...

“Era uma vez um velho pintor, que costumava frequentar uma pensão onde se hospedavam os estudantes de uma Universidade local... Sem recursos financeiros para sobreviver, flertava com a sorte e a ajuda dos amigos para fazer suas refeições e um leito quente para dormir... Havia se tornado uma figura folclórica na cidade, pois apesar de não ter feito sucesso com sua arte, afirmava desde sempre que um dia ainda iria pintar sua obra prima que seria admirada por todos... O tempo se passou, a velhice chegou, mas ele não desistia de seu sonho e continuava a afirmar o seu mantra a todos que o conheciam...!”

“A nevasca se tornou cada vez mais intensa e as folhas foram caindo com mais rapidez a cada dia... Naquela fatídica tarde, só restava uma folha na velha árvore e a previsão era de que aquela noite haveria uma tempestade de neve fortíssima, o que certamente derrubaria a teimosa e resistente folha e com isso terminaria de vez toda a esperança de vida daquela jovem... Adormeceu com a certeza de que aquela iria ser sua última noite na terra!”.

“No dia seguinte, ao abrir os olhos pode divisar a imensa camada de neve acumulada na paisagem e pasmem, sozinha, isolada, firme e intacta estava a folha pendurada no galho, sobrevivente impensável e inimaginável, depois da tempestade da noite passada...! Com o susto e a alegria da visão inesperada, a jovem retomou o desejo de viver, começou de novo a lutar pela sua saúde e passada uma semana já estava livre da sentença de morte que se havia autoimposto!”.

A primeira coisa que fez ao se sentir melhor foi perguntar pelo velho pintor que diariamente ia visita-la e que havia sumido... Foi informada que o velho teimoso, na noite da grande nevasca, foi visto pintando uma folha na janela do quarto da jovem do lado de fora da pensão... Dizia ele a todos que passavam que aquela seria sua obra prima...! Passou toda a noite naquele trabalho e amanheceu morto, vítima do frio que enfrentou na madrugada gelada...”

O Mestre concluiu sua palestra dizendo que não precisamos de grandes feitos para fazer a diferença... Basta olharmos ao nosso redor e ver o que está ao nosso alcance realizar... 

”Todos nós temos uma obra prima inacabada para concluir!” disse Ele para o delírio de todos! 

Cuide bem de você!