A pressão arterial é caracterizada pela força exercida pelo sangue para conseguir circular pelo corpo distribuindo oxigênio e nutrientes necessários para o bom funcionamento do organismo. Já a hipertensão arterial, ou pressão alta, é uma doença crônica relacionada a esta força em que o sangue corre pelos vasos e artérias com uma pressão superior ao considerado normal e que, consequentemente, exige, também, mais esforço do coração.

Uma pessoa pode ser considerada hipertensa, segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão, se ela possui pressão arterial igual ou maior a 14 por 9. Se não tratada da forma correta, a hipertensão eleva o risco de problemas graves como infarto do miocárdio, AVC, falência renal, insuficiência cardíaca crônica, entre outros. Apesar de a doença não ter cura, ela pode (e deve) ser controlada, não só através de medicação, mas também com a mudança hábitos. Já que estresse, obesidade, alimentação, sedentarismo, tabagismo, consumo excessivo de álcool e sono inadequado influenciam diretamente no surgimento e na piora da hipertensão. Além disso, deficiência de vitamina D, ácido úrico elevado, circunferência abdominal acima de 102 cm para homens e 88 cm para mulheres e deficiência de magnésio são também condições de risco.

Quando a doença é provocada por fatores que há como comandar, a medida indicada é tratar o agente causador. Como o estresse e a obesidade são considerados fatores de risco, que causam a piora da hipertensão. Se for constatada que a doença surgiu por conta de um desses motivos, o tratamento ideal é cuidar da raiz do problema: controlar o estresse e perder peso.

Como a má alimentação desencadeia uma série de problemas, ela pode ser considerada também peça-chave para combate e controle da pressão alta. Uma dieta baseada em escolhas ruins, que não agregam valor nutritivo e agridem o organismo, pode não somente levar o paciente à obesidade, mas comprometer o sono diário. Além disso, influenciará a prática de exercícios físicos, pois a frequência diminuirá ou ficará precária e, sem sombra de dúvidas, faltará energia para a atividade.

Normalmente, a pressão alta é uma doença silenciosa, demonstrando alguns sintomas apenas quando já está num nível mais elevado. Além dos problemas mais graves que podem levar à morte, a doença ainda pode trazer complicações diversas como disfunções oculares com perda de visão, aneurismas (que pode levar a pessoa a sofrer um AVC) e síndrome metabólica (conjunto de doenças que aumenta o risco de problemas cardiovasculares como obesidade abdominal, níveis elevados de açúcar no sangue, entre outros).

Ainda que a genética e a idade sejam fatores de risco para o problema, creio que adotar hábitos saudáveis é o método mais eficaz para controlar a pressão arterial. Indico investir em dieta rica em frutas, verduras, legumes e cereais integrais, diminuição do uso do sal na comida, praticar atividades regulares pelo menos 4 vezes por semana e visitar regularmente o médico. O acompanhamento com profissional é de suma importância, pois descobrir um problema no início aumenta as chances de cura ou controle.