O câncer é causa de morte mais frequente por doença entre crianças e adolescentes, de 1 a 19 anos, no Brasil, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Em 2018, 12,5 mil novos casos de câncer infantil devem ser diagnosticados no Brasil, de acordo com o mesmo instituto. 

Em muitos casos, a doença só é diagnosticada quando já está em estágios avançados. Isso porque vários sintomas se assemelham a características de doenças comuns na infância. Por essa razão, é muito importante prestar atenção a qualquer anormalidade e buscar pelo diagnóstico precoce. Dessa forma, caso a criança tenha sido diagnosticada com alguma enfermidade e, mesmo depois de medicada, persistirem os sintomas, é preciso retornar ao médico imediatamente para que ele prossiga com a investigação.

Hoje, cerca de 70% dos casos podem ser curados quando são descobertos previamente e tratados em centros avançados de combate ao câncer. Da mesma forma, é de extrema importância que os pediatras tenham conhecimentos acerca dos diferentes tumores. Os mais comuns em crianças são as leucemias, tumores do sistema nervoso central e linfomas.

Outros cânceres que também acometem as crianças são: retinoblastoma (afeta a retina), neuroblastoma (região abdominal), tumor de Wilms (tumor renal), tumor germinativo (das células que vão originar testículos ou ovários), osteossarcoma (tumor ósseo) e sarcomas (tumores de partes moles).

Ao falar dos sintomas, quando se trata de leucemia, os pequenos ficam mais sujeitos a infecções, palidez, sangramento e dores ósseas, devido à invasão na medula óssea por células anormais. Já o retinoblastoma costuma acometer crianças com até 3 anos de idade e algumas de suas características são pupilas esbranquiçadas quando expostas à luz e hipersensibilidade à luz e estrabismo. Os tumores do sistema nervoso central têm como características dores de cabeça, vômitos, alterações motoras e de comportamento e paralisia de nervos; surgimento de massa ou aumento do abdômen podem ser sinais do tumor de Wilms (afeta os rins) ou neuroblastoma; por fim, tumores sólidos podem formar massa, visível ou não, e causar dores nos membros. Essa dor é também um dos principais sintomas do osteossarcoma (tumor no osso em crescimento), mais frequente em adolescentes.

Para o tratamento ser efetivo, é preciso analisar tipo do câncer, tamanho e localização do tumor, além das condições físicas do paciente. Por meio disso, é determinado um procedimento mais recomendado para se alcançar a cura.