O acúmulo de lixo em um lote entre o Centro de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente (Caic) Renascença e a Escola Estadual Santa Terezinha vem tirando a tranquilidade dos moradores do bairro Alice Maia. A falta de fiscalização por parte do poder público e também atitudes da própria população contribuem para o aumento do transtorno. 

Segundo vizinhos do terreno, carroceiros e moradores de outras partes do bairro estão usando o local para descarte de entulhos. 

A moradora Denise Santos relata já ter encontrado vários escorpiões na residência e acredita que o motivo é o acúmulo de lixo. “No calor, nem abro as janelas porque fede muito. Às vezes ficam alguns urubus voando por aqui. Já paguei R$20 para limparem bem frente a minha casa. Depois disso alguns vizinhos também pagaram, mas não adianta. Vêm pessoas e carroceiros de outras áreas e jogam lixo aqui. É um absurdo”, desabafa a moradora. 

Com o excesso de sujeira, mato alto e a falta de higiene, uma moradora, que preferiu não se identificar, já cogitou até trocar de bairro. “Já pensei em vender a minha casa. É muito triste abrir a porta e só ver lixo”, relata.

O que tem chamado a atenção do eletricista João Pereira, outro morador vizinho ao terreno, é a falta de atitude do poder público na fiscalização em termos higiênicos e sanitários. 

“Quem limpava o terreno era a prefeitura, mas nem lembro quando realizou o serviço completo. Na última vez em que eles vieram com os tratores, apenas juntaram o material em montanhas de lixo e até hoje nenhum funcionário veio realizar a retirada”, conta João.
 
RISCO DE DENGUE 
Montes Claros está em estado de alerta de acordo com o último Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes aegypti (LirAa) realizado entre 23 e 25 de outubro de 2017. O índice ficou em 3,4% – mais do que 4% há risco de surto de dengue, como relata o médico Tiago Magalhães. 

“Com a volta do tempo chuvoso, a tendência é a de que a situação se agrave. Locais como esse favorecem o aparecimento de focos do mosquito da dengue, com isso a tendência é o risco aumentar por causa da proliferação do mosquito”, diz o médico. 

A redação de O NORTE tentou contato com a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos sobre a limpeza do local, mas até o fechamento desta edição não obteve resposta.