Um forte tremor acordou os montes-clarenses na manhã desta quarta-feira. Por volta das 6h10, diversos bairros da cidade sentiram o abalo sísmico. Esse foi o sétimo tremor em Montes Claros neste ano. O Observatório Sismológico do Distrito Federal registrou o abalo em 2,1 na escala Richter, menor do que o de fevereiro (2,3), considerado o maior tremor de 2017.

A cidade de Montes Claros constantemente sofre com o tremores de terra, segundo Maykon Fredson Freitas Ferreiras, analista de sismologia da Unimontes. Segundo ele, existe uma falha geológica no solo do município, de aproximadamente 13 metros de profundidade e com cerca de 3km de extensão. “Essa falha é algo que ainda estamos estudando. O terremoto é o único fenômeno natural que não temos como prever, então não temos como alertar a população antes que ocorra”, explica.

O coordenador da Defesa Civil, Eduardo Marques, conta que o abalo foi notado em várias partes da cidade. Os moradores da região Sul foram os que mais sentiram. Segundo relatos, além do abalo, que durou cerca de 30 segundos, o forte barulho também assustou os montes-clarenses.

“Ainda estava deitada quando primeiro ouvi um estrondo, muito forte, depois tudo balançou. Geralmente a gente só ouve o barulho, mas dessa vez deu pra sentir”, conta Janaina Marçal que reside no bairro Panorama.
 
EPICENTRO
Os especialistas do Núcleo de Estudos Sismológicos da Unimontes foram até a estação que fica no Parque Lapa Grande para fazer a verificação. Os dados foram encaminhados para processamento do Observatório Sismológico do Distrito Federal para o cruzamento das informações das estações sismográficas de Januária e Diamantina. Assim, será identificada a localização exata do epicentro e se houve os chamados tremores secundários, que não foram percebidos na superfície.

Segundo os bombeiros, foram recebidas 16 chamadas, contudo não houve vítimas nem estragos. Foi realizada somente uma vistoria numa residência no bairro Sumaré, mas foi constatada que as rachaduras encontradas eram antigas e não resultado dos abalos. “As chamadas foram recebidas de pessoas querendo informações sobre o tremor, não tivemos nenhuma ocorrência grave”, conta o tenente Diego Silva Prates.