Os índices de crimes violentos, incluindo mortes, estupros roubos e extorsões, estão em queda em Montes Claros. De acordo com os dados de criminalidade da Secretaria de Defesa Social, o município registrou redução de 18,8% nas ocorrências entre janeiro e maio deste ano, comparando com o mesmo período de 2016. Já balanço específico da Delegacia Regional de Homicídios de Montes Claros aponta que, de janeiro a junho de 2017, foram registrados 26 assassinatos, contra 30 no primeiro semestre do ano passado.

Segundo o delegado responsável pela unidade, Bruno Rezende, a diminuição é resultado de uma série de ações conjuntas entre as polícias Civil e Militar em parceria com o Ministério Público e Poder Judiciário para agilizar a solução de crimes e a aplicação de penas. Em 2012, a Polícia Civil chegou a registrar 122 homicídios na cidade casos; a maioria ligada ao tráfico de drogas.

O delegado pontua que outro motivo para a redução dos crimes violentos, foi à reestruturação da delegacia, uma vez que até então, não havia um órgão dedicado a homicídios e após a criação da mesma, que hoje conta com 13 agentes exclusivos para esse tipo de crime, os índices diminuíram.
“A delegacia fez cinco anos e com a implantação dela, conseguimos mais êxito na solução dos casos com mais rapidez”, afirma. Por ano, pelo menos 70 pessoas são presas por homicídio em Montes Claros
 
PENALIDADE
Outro fator de destaque é a motivação dos crimes. Antes os assassinatos eram cometidos, em sua maioria, entre gangues, para marcar território de ponto de drogas ou para ‘acerto de contas’ entre as facções. O relatório da Delegacia de Homicídios aponta que a motivação dos assassinados neste ano foi considerada ‘fútil’, ou seja, aconteceram por brigas em bar, discussão entre vizinhos e os passionais, que nos seis primeiros meses de 2017 foram dois.

“Não temos como prevenir crimes, mas podemos criar um cenário desfavorecido para isso, com condenações mais graves. Também planejamos ações dentro de bairros mais perigosos”, explica o delegado Bruno Rezende. Ele ainda explica que algumas prisões específicas de líderes de gangues também contribuíram para a redução da violência.

Trabalho em boa parte também feito pela Polícia Militar que, com a chegada de viaturas novas, conseguiu desmanchar grupos de traficantes e apreender diversos tipos de drogas. “Para proporcionar mais segurança aos montes-clarenses, a PM reativou o Grupo de Proteção à Vida que tem trabalhado nos casos de homicídios em conjunto com a delegacia especializada nestes crimes”, explica Major Graciele.
 
IMPORTÂNCIA
O advogado criminalista e professor de direto da Funorte Warlen Freire ressalta que uma investigação bem feita é fundamental para punição de criminosos.

“O trabalho de investigação precisa contribui para a efetividade na aplicação da lei penal. Isso porque se o inquérito feito chega às mãos do Ministério Público e do Judiciário com todas as informações da investigação devidamente organizadas, fica muito mais fácil concluir a apuração da conduta praticada pelo infrator e aplicar a ele a punição devida. Isso resulta na certeza da punição que por consequência inibe a prática delitiva”, conclui.

A Secretaria de Defesa Social aponta que a cidade registrou de janeiro a maio de 2016, 1.693 crimes violentos, já o mesmo período de 2017 fechou com 1.375 ocorrências, somente no mês de maio de 2017 a queda foi de 57,2% nos registros em relação ao mesmo mês do ano anterior, passando de 409 para 234
Por ano, pelo menos 70 pessoas são presas por homicídio em Montes Claros. Em relação aos assassinatos, a queda foi 13,3%. “A responsabilização dos autores desestimula os indivíduos a praticarem o crime”, delegado Bruno Rezende, responsável pela Delegacia de Homicídios.