A falta de um censo para analisar o perfil da população em situação de rua em Montes Claros dificulta a busca de soluções e a implementação de políticas públicas que possam melhorar a vida dessa população. 

O assunto foi discutido durante o fórum População em Situação de Rua, promovido pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais na cidade nos últimos dois dias. Foram debatidas medidas de assistência social. 

Estiveram em pauta temas como moradia, trabalho, saúde e propostas de políticas públicas a serem direcionadas à população que vive nas ruas do município, como explica a diretora de Defesa e Reparação de Direitos Humanos, Letícia Palma. 

“Estima-se que a cidade tenha cerca de 400 pessoas morando nas ruas. Como não há um censo do município, não tem como traçar um perfil exato”, explica Letícia. Mas ela lembra que, com base nos dados nacionais e estaduais, é possível fazer um mapeamento local. 

“Então podemos dizer que 90% são homens, com 80% divididos entre pardos e negros, de até 50 anos, ainda que haja relatos de ONGs e organizações sociais de que em Montes Claros tem um número alto de pessoas idosas vivendo nessa situação de rua”. 

O Centro Pop atende 45 moradores mensalmente, com um grupo de educadores e psicólogos para acolher e orientar, mas o município não possui um abrigo. Sem local para dormir, essa população prefere no período da noite se estabelecer em locais da região central, como a praça da Matriz, além de pontos com grande movimentação, incluindo a rodoviária e o Hospital Universitário. Um dos sem-abrigo é P.H, que costuma dormir na praça Flamarion Wanderley, no bairro São José. 

“Prefiro ficar no São José porque é bem mais tranquilo que no Centro. Os moradores do bairro sempre ajudam, têm os comerciantes que oferecem café pela manhã. O problema é quando chove. O bairro fica alagado e não tem como dormir”. 

O secretário de Desenvolvimento Social, Aurindo Ribeiro, diz que a prefeitura já possui um lote para a construção do albergue municipal, mas não informou o bairro. Depois de Montes Claros, Ipatinga (16 e 17), BH (18 e 19) e Juiz de Fora (24 e 25) vão receber o fórum.