A pouco mais de duas semanas da Páscoa, o consumidor não se animou ainda a ir às compras. Por isso, as redes de supermercados e de varejo em Montes Claros colocam novidades nas prateleiras e fazem promoções para tentar atrair a clientela. Mas os produtos que fazem a alegria da criançada estão, em média, 3% mais caros em relação ao ano passado. O quilo do chocolate nos ovos de Páscoa (R$ 128) é quase quatro vezes o quilo do filé mignon na cidade (R$ 34,90). 

A Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab) justifica que o reajuste é baseado no Índice de Preços ao Consumidor (IPCA), que fechou 2017 em 2,95%.

Para não perder vendas, os varejistas oferecem parcelamento da compra em até 4 prestações. “Por enquanto, os clientes estão vindo para fazer pesquisa de preços. A nossa expectativa é de que eles voltem. Estamos parcelando compras acima de R$ 100 em até quatro vezes”, diz a operadora de caixa Silmara Nunes.

A empresária Lilia Souza aposta na criatividade das cestas para oferta de outros produtos, como bichos de pelúcia, brinquedos, cartões criativos e kits montados ao gosto do cliente.

“Para quem trabalha com chocolates, a Páscoa é a data mais aguardada, além do Natal e o Dia dos Namorados. O lucro do comerciante depende da sua criatividade e isso é que irá impulsionar as vendas. No meu caso, prefiro trabalhar com cestas e priorizo a decoração porque é algo que permanece e mexe com o sentimental do presenteado”.  É bom ficar atento às ofertas, como ressalta a atendente de telemarketing Inês Mendes. “Estou de olho nos preços desde fevereiro. Além dos produtos terem tido aumento, não consigo notar uma variedade nos produtos”, reclama. 


Cresce oferta de produto caseiro
Com os preços nas alturas o consumidor busca itens mais em conta. Faz com que a comercialização de ovos e bombons caseiros, nesta época do ano, abra muitas oportunidades para pequenos produtores. 

Os amigos Guilherme Oliveira e Diego Braga decidiram juntos trabalhar com venda de ovos de páscoa caseiros de 300 e 500 gramas. Uma das justificativas é de que os produtos industrializados estão com preços pouco acessíveis.

“Esse é o primeiro ano que estamos trabalhando com ovos. A nossa expectativa é bem bacana O nosso produto tem a mesma qualidade que os industrializados”, diz Guilherme Oliveira.

Ele afirma que um dos destaques da sua produção é o recheio dos ovos de Páscoa. “Por isso, trabalhamos com uma carta bem diversificada e já temos 60% da nossa estimativa de venda fechada”, informa.