Quarenta pessoas envolvidas em um esquema de roubo de cargas estiveram na mira da polícia em Minas Gerais e em outros cinco estados brasileiros ontem. Entre os alvos da Operação Hiscos II, que investiga um grupo que teria movimentado ilegalmente R$ 30 milhões, estava uma vereadora suplente de Buritis, no Noroeste de Minas.

Conforme a Polícia Federal, a mulher, de 36 anos, é acusada de lavar dinheiro para os integrantes da organização criminosa. Ela foi detida em casa mediante cumprimento de mandado de prisão. Levada para Montes Claros, a suspeita seguiu escoltada por agentes federais até Goiás, onde será ouvida e permanecerá à disposição da Justiça.

De acordo com as investigações, empresários e políticos davam suporte financeiro aos roubos de cargas em diversas cidades do país. “Os policiais identificaram o envolvimento (da mulher presa em Minas) com o grupo de roubo a cargas por intermédio de seu marido, preso na primeira fase da operação”, informou a corporação por meio de nota.

Se comprovada a participação dela e dos outros suspeitos, eles irão responder pelos crimes de roubo qualificado, cárcere privado, lavagem de dinheiro, organização criminosa, tráfico de drogas e receptação.

Para prender o bando criminoso, uma força-tarefa foi montada pela Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Militar de Goiás e Ministério Público. Na operação, aproximadamente 450 agentes cumpriram cerca 91 mandados de judiciais, sendo 40 de prisão.