Ontem, na avenida Deputado Esteves Rodrigues, um rapaz de 20 anos bateu o carro num poste ao tentar fugir de uma abordagem policial. Além de não ser habilitado, apresentava sinais de embriaguez. O jovem engorda uma estatística já alarmante em Montes Claros. Dados da Polícia Militar revelam que o número de motoristas flagrados dirigindo sob efeito de álcool aumentou 25,19% em 2017, na comparação com o ano anterior. 

Mesmo com a legislação mais severa para quem é pego dirigindo sob o efeito de bebida alcoólica, algumas pessoas ainda arriscam a própria vida e a de terceiros. De acordo com a 11ª Cia de Polícia Militar, nos últimos dois anos, quase 300 pessoas, entre motoristas e motoqueiros, foram presas flagradas com indícios de embriaguez. Em 2016, foram 127 prisões pelo mesmo motivo. No ano passado, 159. 
 
NORTE DE MINAS
Nas cidades do Norte de Minas, de responsabilidade da 11ª Cia de Polícia Militar, 304 motoristas foram presos desrespeitando a Lei Seca em 2016 e 352 em 2017, o que representa aumento de 15,78%. 

No balanço da Operação de Carnaval divulgado pela Polícia Rodoviária Estadual (PRE), neste ano houve aumento de 30% no número de prisões de motoristas por conta da mistura álcool e drogas em relação ao ano passado. Um deles conduzia um ônibus com 44 passageiros a bordo. 
 
LEGISLAÇÃO
A antiga legislação era mais leve. O infrator poderia pagar multa e responder em liberdade, em alguns casos mesmo havendo mortes. Em dezembro, a lei ficou mais dura para quem é pego dirigindo sob efeito de álcool. A pena passou a ser de 5 a 8 anos, além da suspensão ou proibição do direito de obter a habilitação. No caso de ocorrer homicídio culposo, a legislação já previa o aumento de um terço da pena.