O número de assassinatos em 2017 em Montes Claros foi o menor dos últimos seis anos, segundo dados divulgados pela Polícia Civil ontem. No ano passado, foram 50 vítimas, o equivalente a 11,7% mortes a cada 100 mil habitantes. De acordo com o balanço, os locais com mais registro de violência são o bairro Village do Lago II e a zona rural de Montes Claros. 

Segundo o delegado da Delegacia de Homicídios de Montes que Claros, Bruno Rezende, a diminuição é resultado de uma série de ações conjuntas entre as polícias Civil e Militar em parceria com o Ministério Público e Poder Judiciário para agilizar a solução de crimes e a aplicação de penas. No ano passado foram 57 pessoas presas por homicídios, incluindo adolescentes que cumprem medida socioeducativa. 

“A delegacia fez cinco anos e com a implantação dela, conseguimos mais êxito na solução dos casos com mais rapidez”, pontua o delegado Bruno. 

A diminuição de crimes violentos ocorreu nos 24 municípios que a 11° Região Integrada de Segurança Pública (Risp), especialmente nas cidades de Janaúba com 35 homicídios, dois a menos do que 2016; Jaíba com 25 mortes, oito a menos comparando com o ano anterior, Manga 9 homicídios em 2017 e 5 em 2016. 

“Em Montes Claros houve uma redução 24% nos crimes violentos, incluindo assaltos e demais infrações com uso da violência. Já nas cidades que a 11° Risp é responsável houve queda de 21%. O que ajudou para esse novo cenário foi o fortalecimento da estrutura das delegacias, com mais investigadores e viaturas”, ressalta o delegado regional da Polícia Civil, Jurandir Rodrigues. 

A Delegacia de Homicídios foi criada em 2012 na cidade, o cenário na época chegou a apresentar 123 assassinatos. Das 50 mortes registradas em 2017, 46 foram homicídios e 4 latrocínios - dos homicídios, 23 inquéritos foram concluídos. Atualmente a delegacia possui pelo menos 700 inquéritos, alguns desde a década de 90. 

“A punição é chave para o combate ao crime. Nas cidades mais violentas, agora possui delegacia regional com profissionais especializados no crime organizado, e isso faz com que as investigações sejam melhores executadas. Assim, o Ministério Público poderá julgar com maior precisão. Nossa luta para 2018 é que a cidade de São Francisco tenha uma regional”, destaca o chefe da Risp, Renato Henriques. 

PERFIL
O relatório da Policia Civil aponta que 90% das mortes em Montes Claros, seguem o padrão nacional, são de homens, entre 15 a 29 anos de idade. As vítimas também tem envolvimento com o tráfico de drogas, 84% são de pele negra ou parda, baixa renda e moradores de zonas periféricas. 

“Em 2017 foi um ano atípico, pois, grande parte da motivação dos assassinados foi considerada ‘fútil’, ou seja, aconteceram por brigas em bar, discussão entre vizinhos e os passionais”, explica o delegado Bruno Rezende. 

Outra característica dos homicídios em Montes Claros é que eles ocorrem nos fins de semana, entre 21h a 1h, e que 42% tem envolvimento direto ou indireto com o tráfico. O bairro com maior índice de assassinato é o Village II que é um residencial cercado por outros condomínios periféricos, como o Recanto das Águas e Montes Sião. A zona rural está em segundo lugar, Bruno Rezende destaca que um dos motivos é o acesso fácil a arma de fogo. 

MULHERES
As mulheres morreram mais no ano passado do que em 2016, no qual houve oito assassinatos. Foram registradas 19 mortes violentas, destas 7 foram consideradas feminicídio, que é o crime enquadrado na lei Maria da Penha ou pelo fato da vítima ser mulher. 

“Percebemos um aumento nessa característica e vamos junto com a Delegacia da Mulher trabalhar em conjunto. O homicídio não temos como saber que vai acontecer, mas se houver denúncias, podemos prevenir”, finaliza Bruno Rezende.