Os salários dos servidores da Empresa Municipal de Serviços, Obras e Urbanização (Esurb) estão mais uma vez atrasados. São dois meses sem vencimentos, referentes a fevereiro e março. A justificativa apresenta pela Esurb é a de que a Justiça Trabalhista estaria bloqueando o dinheiro. 
 
Segundo o gerente administrativo da Esurb, Ronaldo Ramon de Brito, a situação será resolvida ainda nesta semana. Servidores cogitam fazer uma paralisação se isso não ocorrer. 
 
Em janeiro, aproximadamente 290 funcionários ameaçaram entrar em greve, caso os salários não fossem quitados, assim como o 13º salário de 2017. Eles receberam em fevereiro. Na época, a direção da empresa informou que houve um erro contábil. 
 
Agora, de acordo com o presidente da Esurb, Sérgio Pires, existem vários processos trabalhistas envolvendo a autarquia e, por isso, o dinheiro é bloqueado quando dá entrada no banco.
 
“Não é por falta de dinheiro e sim pelo fato de não ter outro método para pagar os funcionários a não ser pelo banco. Dependendo da data, quando depositamos os salários, a Justiça bloqueia e os servidores ficam sem receber. O nosso departamento jurídico está negociando para tentar resolver a situação”, explicou o presidente. 
 
A Esurb responde pelo serviço de pavimentação e iluminação do município. No ano passado, a Câmara Municipal aprovou o projeto de lei do Executivo que estipula receita e fixa a despesa do município para o exercício financeiro de 2018. Para a Esurb e a Empresa Municipal de Planejamento, Gestão e Educação em Trânsito e Transportes de Montes Claros (MCTrans) foram destinados R$ 25,4 milhões.
 
EMPRÉSTIMO
Um servidor que não quis se identificar contou o drama que vive diante da incerteza sobre o salário. “Os atrasos são constantes, mas dessa vez durou muito tempo. Ameaçamos entrar de greve no início do ano, mas acreditamos na prefeitura e agora tenho que pegar dinheiro emprestado até para fazer feira”.