A greve dos caminhoneiros também alterou a rotina dos hospitais de Montes Claros. Para não interromperem o atendimento à população por falta de insumos, as unidades de saúde se reorganizaram.

O Hospital Universitário Clemente de Faria adotou um plano de contingência. As cirurgias eletivas e de urgência foram mantidas, mas vão passar por avaliação criteriosa do corpo clínico, segundo a diretoria.

Como os insumos de laboratório não estão sendo entregues, as solicitações de exames PCR e creatinina ficam restritas.

Quanto aos gêneros alimentícios e nutrições enterais, o HU informa que o fornecimento da alimentação será exclusivamente para pacientes e servidores plantonistas de 12h, conforme escala elaborada por cada gestor.

Na Santa Casa de Montes Claros, foi suspensa alimentação para acompanhantes de pacientes, a troca de enxovais só será realizada com a constatação de secreções e os resíduos das lixeiras só serão recolhidos quando os recipientes atingirem a capacidade máxima. 

O Hospital Aroldo Tourinho, até o fechamento desta edição, não informou sobre possíveis alterações. No Hospital das Clínicas Dr. Mário Ribeiro, o atendimento segue sem modificações, preservando inclusive os procedimentos eletivos, de acordo com a assessoria.