Montes Claros recebe, quinta-feira, o II Congresso Norte Mineiro de Energias Renováveis, com o tema “Oportunidades de Negócios e Investimentos no Norte de Minas Gerais”. O evento está dentro da programação da 22° Feira Nacional da Indústria Comércio e de Serviços de Montes Claros (Fenics) e contará com a mostra “I Exposolar do Norte de Minas”, com expositores de todo o Norte do Estado.

Nos últimos cinco anos, dezenas de empresas do segmento de energia fotovoltaica foram implantadas em Montes Claros. O crescimento se deve à falta de água nas hidrelétricas, pois a energia fotovoltaica é um sistema que converte a energia do sol em eletricidade.

“O evento será para apresentar e consolidar ações efetivas de promoção do desenvolvimento regional, melhorando as condições de vida da população norte-mineira”, afirma Pávilo Miranda, presidente da Agência de Desenvolvimento do Norte de Minas (Adenor).

O Congresso será realizado no auditório da Sociedade Rural, de 8h às 18h.  

MERCADO
Segundo levantamento da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia (Abesco), a população brasileira gastou, em 2015, cerca R$ 12,64 bilhões em energia elétrica, sendo que 10% desse valor é fruto de desperdício.

Contudo, o cenário em 2016 foi diferente, com a pouca chuva em grande parte do país, a crise da água atingiu as hidrelétricas, os níveis dos reservatórios passaram a ser utilizados desde o final de 2012 e as companhias de energia tiveram que aumentar o valor das tarifas. Uma alternativa econômica e sustentável para essa nova realidade é a energia fotovoltaica.
 
PIONEIRA
A primeira usina de Minas Gerais com o sistema fotovoltaico e a segunda do Brasil foi instalada em Montes Claros, através da empresa Facilita, fundada há três anos. Segundo Madjer Patrick Silveira, um dos proprietários do negócio, em dois anos o mercado de usinas solares cresceu 600%.

“Uma série de fatores contribui com esse crescimento em larga escala, como facilitação de empréstimos do Banco do Nordeste para esse segmento e o sol, coisa que nossa região tem muito”, pontua.