A apenas sete dias do início da Copa do Mundo da Rússia, empresários de Montes Claros apostam no aquecimento das vendas. A expectativa, segundo a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), é a de que a comercialização de produtos voltados para o Mundial, como TVs, decoração temática, blusas da Seleção Brasileira e o movimento nos bares cresça 10%.

A Copa do Mundo para os brasileiros vai além do futebol. Mesmo aqueles que não são fãs do esporte se rendem à competição, pois é a chance de reunir o grupo de amigos para festejar. Nessa onda, bares e restaurantes da cidade se enfeitam de verde e amarelo para transmitir os jogos e funcionar em horários especiais nos dias em que a Seleção Canarinho entrar em campo.

Alguns donos de bares investiram em televisões maiores ou telões e sons potentes, como Juneo Hagsted, que aposta em um aumento de 40% na clientela.

“Nosso bar funciona à noite, mas nos dias em que o Brasil jogar, vamos abrir durante o dia. Para isso, mudei as escalas dos garçons e comprei um telão maior. Também estamos vendo a possibilidade de fazer algumas promoções para atrair o pessoal”, diz.

Dono de uma bombonière, Jonas Ribeiro ficou receoso com o movimento tímido de semanas atrás. No entanto, teve que reforçar o estoque de bandeirolas e bandeiras pois movimento aumentou com a proximidade do evento.

“Pedi mais um estoque para garantir que os produtos não faltem. As empresas maiores procuram essas peças para decorar os estabelecimentos. Geralmente, as pessoas querem mais bandeiras e perucas”, conta.
 
GOSTO DE INFÂNCIA
E quem acha que álbum de figurinha é coisa do passado, se engana. O encarte da Copa do Mundo 2018 tem atraído adultos e crianças. A coleção reúne 682 adesivos e cada pacote, com cinco unidades, custa R$ 2.

Comprar e trocar as figurinhas é um dos motivos de aglomerações nas bancas de revistas da cidade. Rita Melo é dona da que fica na praça Doutor João Alves (praça do Automóvel Clube) e destaca que a clientela aumentou 100%.

Acompanha as negociações entre os colecionadores e conta que as figurinhas mais difíceis de ser encontradas são as dos jogadores Neymar e Cristiano Ronaldo.

“A movimentação é maior nos fins de semana. Percebi que as pessoas estão saindo do virtual e resgatando algo que fez parte da infância de muitos. Tem crianças que estão dando show em negociações nas trocas e vendas de figurinhas repetidas”, diz.

O estudante Gabriel Rodrigues Froes, de 9 anos, é um deles. Faltam apenas 14 adesivos para completar o álbum que ganhou da avó. Apaixonado por futebol, está estreando no mundo das figurinhas. Além da diversão, conta que aprendeu noções de geografia e história com o pai e a avó, que são professores.

“Eu gosto de trocar cartinhas na praça do Automóvel Clube porque foi lá que achei Neymar. Conheci vários países, como a Nigéria que eu não sabia que existia. Agora aprendi em quais continentes eles ficam. Também aprendi a negociar, comprando e vendendo cartinhas”, explica. 

Gabriel conta que é uma surpresa a cada pacotinho aberto, mas que prefere negociar as figurinhas. “O dia que achei Neymar foi muito bom. Estava no carro com minha mãe abrindo os dez pacotinhos que comprei e, no último, achei Neymar. Minha mãe começou a buzinar e ficamos gritando na rua”.