A coleta de lixo deficiente e a falta de consciência de parte da população têm feito com que resíduos e entulho tomem conta das margens dos córregos que cortam Montes Claros. Além de atrair insetos e de causar mau cheiro, esses materiais podem ser carregados para dentro dos cursos d’água no caso de uma chuva forte, provocando enchentes em pontos que já registraram problemas durante temporais. 

No bairro Cintra, o lixo já invade o lugar por onde a água deveria fluir. O trecho do mesmo córrego que passa ao fundo do bairro Lourdes, segundo a moradora Sueli Mendes, também está infestado de insetos. “Quem mora aqui sofre muito com escorpiões. O mau cheiro é terrível, no período sem chuva não corre água, aí fica só o esgoto”, relata.

O motorista Thiago Gomes reside no Bairro Vera Cruz e diz ficar inconformado em ver a cidade em estado de abandono. “Estamos perto de três grandes redes atacadistas, e a situação dos canais é deplorável. Você tem entulho, fedor e insetos em um lugar onde metade da cidade transita. É um absurdo”, desabafa o motorista. 
 
ALAGAMENTOS
Alguns pontos que já possuem histórico de inundações estão com os canais assoreados. O acúmulo de resíduos e a vegetação alta são outros problemas que podem causar agravamento da saúde e prejuízo ao patrimônio de quem reside por perto, como conta a dona de casa Rebeca Gonçalves, do bairro Funcionários. 

“Todo esse lixo precisa ser retirado para evitar transtornos com enchente e a proliferação de doenças por causa da sujeira arrastada pela enxurrada. Mas a população também tem a sua parcela na culpa, porque os entulhos estão sendo jogados por moradores das proximidades”, diz Rebeca.

Em outro ponto da cidade, o canal do córrego que corta a região do Renascença está prejudicado por causa do carreamento de detritos e construções irregulares na vizinhança, diz o morador Gustavo Reis. “A falta de fiscalização do descarte irregular de lixo tem agravado a situação. Quando chove forte, os moradores já sabem que o córrego vai transbordar. Mas graças a Deus nunca ocorreu nada sério”, conta. 

A reportagem procurou a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos nos últimos dois dias e foi informada de que o responsável pela pasta estava fazendo vistoria em obras no município e que nenhum outro servidor público além dele estava autorizado a se manifestar sobre o assunto.