Um bebê de nove meses de idade ficará sob monitoramento por seis meses após receber a dosagem errada de vacina contra a febre amarela. O caso aconteceu na última semana, no posto de saúde Vila Oliveira. A medicação contra febre-amarela foi aplicada com a quantidade dez vezes superior ao determinado pelo Ministério da Saúde para crianças nessa faixa etária. 

Os pais do pequeno Enzo Henrique Araújo Coelho estavam cumprindo o cronograma de vacinas que devem ser distribuídas gratuitamente pelo município. Quando a mãe do menino chegou ao posto de saúde, foi recebida por estudantes do curso de enfermagem da Unimontes e pela professora que coordenava a equipe. Um das estagiárias aplicou no bebê a dose. 

“Enzo foi vacinado e minha esposa foi embora trabalhar. Cerca de trinta minutos depois, a equipe, junto com a professora, chegou à casa onde Poliana (esposa) trabalha, e lá eles explicaram o que aconteceu”, ressalta Darlan Araújo, pai de Enzo. 

Darlan ainda procurou a Secretaria de Saúde para tomar providências acerca do acontecido, contudo, alega não ter recebido uma explicação. 

“O médico pediu um exame de urgência, fui atrás do município para fazer pelo SUS e a resposta que tive foi que só teria vaga na segunda quinzena de janeiro. Fiquei desesperado e supliquei para a moça do laboratório fazer, foi aí que conseguimos”, conta Darlan. 

A família de Enzo mora num bairro distante do Centro, e os gastos com transporte para levar Enzo ao médico estão por conta dos pais. A criança pode ter reações graves à vacina, como falência múltipla dos órgãos. 
 
RESPOSTA
Em nota, a Secretaria de Saúde ressalta que quando o município foi informado do ocorrido, todos os esforços foram empenhados no sentido de garantir à criança o suporte assistencial necessário, sendo viabilizado inclusive atendimento no serviço de infectologia do município, além da notificação/investigação de eventos adversos pós-vacinação, conforme protocolo do Ministério da Saúde. A nota ainda ressalta que a sala de vacina da referida UBS está temporariamente fechada para que os fatos sejam devidamente apurados. 

Já a Unimontes informou, em nota, que a coordenação do curso de graduação em enfermagem da instituição não foi notificada oficialmente pela secretaria sobre o ocorrido. Mas, por tratar-se de uma ocorrência adversa, iniciará a devida apuração dos fatos. Ressaltou que nos campos de estágios em convênio com a prefeitura, até então, nunca foi registrada nenhuma ocorrência desta natureza.