Sabe aquele resto de cabelo que geralmente fica no salão após o corte? Ele pode ajudar – e muito – mulheres em tratamento oncológico. O Hospital Dilson Godinho recebe doações para confeccionar perucas que serão emprestadas às pacientes.

Nos últimos três anos, o hospital referência no tratamento contra o câncer no Norte de Minas já emprestou 50 perucas. A ação faz parte de um projeto solidário desenvolvido pela instituição, por meio do Grupo de Trabalho e Humanização.

O objetivo é amenizar o sofrimento e resgatar a autoestima das pacientes que lutam contra o câncer. O hospital já recebeu cabelos doados de moradores de todo o Norte de Minas, incluindo adultos e crianças.

As pacientes ficam com as perucas até os fios nascerem novamente. Logo que são devolvidas, são repassadas a outras pessoas.

O Hospital Dilson Godinho oferece tratamento oncológico para pessoas de todo a região através do Sistema Único de Saúde (SUS). O tipo com maior número de atendimentos é o de mama. Além de ser um tratamento doloroso, com a perda dos cabelos por causa da quimioterapia, em alguns casos a mulher precisa passar pela mastectomia – cirurgia de retirada total ou parcial da mama.

“Uma das partes mais importantes da aparência da mulher é o cabelo. Por isso, a queda é um dos efeitos colaterais mais temido e impactante, pois representa a feminilidade e a vaidade”, pontua a psicóloga Ligia Beatriz, coordenadora do projeto no Dilson. 

Elane Muniz de Souza, de 41 anos, faz quimioterapia contra um câncer de mama, descoberto em fevereiro. Moradora de Pirapora, ela vem a Montes Claros a cada 21 dias e vai intensificar o tratamento, passando a frequentar os atendimentos na unidade semanalmente.

“Achei ótimo esse projeto. Estou me achando. Ajuda a recuperar a autoestima, a felicidade. No início foi um choque. Não conseguia me ver no espelho. É uma coisa simples, mas que no momento a gente não consegue se conformar. Recuperar a autoestima ajuda no tratamento, fico bem comigo mesma”.
 
SEJA UMA DOADORA
As doações de cabelos são recebidas pelo setor de Recursos Humanos do Dilson Godinho, de segunda a sexta-feira, de 7h às 17h. O tamanho do cabelo precisa ser a partir de 20 centímetros. Ele precisa estar seco e não tem problema se tiver algum tipo de química.

“Uma amiga minha veio, falou sobre o projeto e me interessei. Fiz a doação. Quando cortar, vou doar novamente. Faz muita diferença. Ver a alegria de uma pessoa é importante”, diz a pedagoga Juliana Fagundes Aguiar Alves, de 34 anos, de Pirapora.