Em Minas, de cada cinco pessoas que procuram um pronto-socorro, uma precisa de sangue. Em Montes Claros esse número é maior: são duas entre cinco, devido ao grande número de acidentes envolvendo motociclistas, vítimas com ferimentos de maior gravidade. Por esse motivo, a doação de sangue na cidade e região é fundamental para salvar vidas.

A OMS estipula que o ideal é que pelo menos 5% da população doe sangue uma vez por ano. Em Minas, esse percentual é de 1,9%.

Hoje, Dia Mundial do Doador de Sangue, o Hemocentro Regional de Montes Claros realiza várias atividades para conscientizar a população sobre a importância desse ato.

Responsável pela coleta de sangue para atender 38 hospitais de 26 municípios do Norte de Minas, em uma área com 2 milhões de habitantes, o Hemocentro Regional está com o estoque em recuperação.

A campanha intitulada “Junho Vermelho”, que começou no dia 1º de junho, ganha mais força com a data mundial, cuja programação festiva começa na recepção ao doador no Hemocentro, a partir das 9h, com show da cantora Débora Rosa. Às 15h, será a vez do saxofonista Isaque Emanuel e instrumentistas convidados.

Às 15h, Rosana Silva, responsável pelo setor de captação de doadores da unidade da Hemominas na região, apresenta uma palestra no Hospital Aroldo Tourinho sobre “A importância da doação de sangue”. O objetivo da programação é estimular as doações durante todo o ano, especialmente a dos grupos sanguíneos com fator RH negativo.

Para ser doador, é preciso ser maior de 16 anos e menor de 79 e pesar mais de 50 quilos. Os homens devem ter doado há mais de 60 dias e, as mulheres, há mais de 90, não podem estar grávidas nem amamentando.

“Há 31 anos estamos atuando no Norte de Minas e aproveitamos a data para agradecer a todos os doadores para que essa corrente do bem permaneça, porque cada doação pode salvar até quatro vidas”, afirma Rosana.