Foi aprovado na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 8.468/17, de autoria da deputada federal Raquel Muniz, que torna a cidade norte-mineira de Salinas a Capital Nacional da Cachaça. O município já era famoso pela alta produção e qualidade do produto, mas ganha agora o reconhecimento oficial.

A parlamentar acredita que o título vá fomentar a cadeia produtiva em torno da bebida. “O reconhecimento atrai investimentos para a região e vai impulsionar o turismo, que por sua vez resulta no aumento da produção e geração de emprego e renda”, diz Raquel. 
 
NEGÓCIOS
Salinas concentra mais de 50 marcas de cachaça, e cerca de 15 milhões de litros da bebida são produzidos anualmente no município. Há 16 anos, é realizado o Festival Mundial da Cachaça de Salinas, que além do lazer, oferece a produtores e compradores rodas de negócios e palestras com foco no produto.

A jornalista Pérola Santiago é da terceira geração de uma das mais tradicionais famílias de Salinas responsáveis pela fabricação das marcas Havana e Canarinha. Ela conta que o avô, Noé Santiago, aprendeu o ofício com o tio, Anisio, que deixou como herança, além do modo de fazer, o selo Canarinha, lançado em 1988. 

“O título é bem-vindo e a publicidade com certeza vai fazer com que os produtores tenham mais dedicação. Em todo lugar que a gente chega sempre tem alguém que conhece a cachaça. É um orgulho fazer parte desta família e saber que ela contribui para que Salinas receba oficialmente este reconhecimento”, diz Pérola.

Na cidade, uma das atrações é o Museu da Cachaça, que tem no acervo até um moinho do século 19.