“Há mulheres que rodaram 13 horas de estrada, enfrentaram chuva, para estarem aqui. Esse é um momento histórico para as mulheres do campo”, disse a Alaíde Lúcia Novaes, assessora de mulheres da Federação dos Trabalhadores Rurais do Estado de Minas Gerais (Fetaemg). Este sentimento foi compartilhado durante a abertura oficial, ontem, da 1ª Feira Mineira das Mulheres do Campo – economia feministae agroecológica.

Até hoje, cerca de 50 empreendimentos rurais liderados por mulheres estarão expostos em estrutura montada na Praça da Assembleia Legislativa, em Belo Horizonte. Pela primeira vez, o estado recebe uma feira exclusivamente de mulheres do meio rural.

Realizada pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário (Seda), em parceria com a Articulação de Mulheres do Campo, da Floresta e das Águas (integrado por 13 entidades), a feira tem como objetivo contribuir para a inclusão produtiva e a promoção da autonomia econômica da mulher trabalhadora do campo, na perspectiva da economia feminista e da agroecologia.

Cinquenta empreendimentos de mulheres de várias regiões de Minas Gerais foram selecionados para exporem seus produtos, após seletiva realizada pela Seda. Entre as empreendedoras estão mulheres de comunidades rurais e urbanas, assentamentos da reforma agrária e comunidades quilombolas.

São comercializados produtos como doces, rapadura, tapioca, pães e biscoitos, manteiga, verduras, legumes e hortaliças, frutas e temperos. (Com Agência Minas)