Potencializar o combate ao crime contra a mulher. Esse é o principal objetivo da 1ª Companhia de Prevenção à Violência Doméstica em Belo Horizonte. Minas é o segundo Estado a implementar uma unidade específica para esse tipo de ocorrência.

A criação da unidade foi autorizada ontem pelo governador Fernando Pimentel, durante a abertura do 1º Seminário Estadual de Prevenção à Violência Doméstica Contra as Mulheres, promovido pela Polícia Militar (PM).

Além de prevenir os casos, a instalação da companhia pretende aumentar a sensação de segurança por parte das vítimas e consolidar mecanismos de controle e gestão social, a partir do fortalecimento das redes e da integração dos diversos órgãos de segurança pública do Estado, expandindo e modernizando a atuação comunitária, preventiva e de preservação da ordem pública por parte da corporação.

Fernando Pimentel ressaltou a importância da criação da unidade não somente em atender os casos de violência doméstica, mas principalmente coibir novas ocorrências. Segundo ele, a PM mineira foi pioneira na criação das patrulhas de prevenção. Agora, está estimulada pelo atual governo a dar um passo adiante, lançando a companhia independente que vai se especializar nesses atendimentos.

“Esse pioneirismo, essa modernidade da nossa Polícia Militar, das nossas forças de segurança, do Ministério Público Estadual, do Tribunal de Justiça, que são nossos parceiros permanentes, tem produzido em Minas Gerais um ambiente de segurança muito superior ao que nós assistimos com grande tristeza nos estados vizinhos”, afirmou.

A violência contra a mulher é um problema que atinge diversos setores sociais, ressaltou o governador. O chefe do Executivo estadual frisou que esse tipo de crime fica oculto dentro dos lares, é silencioso e impacta toda a família. “Quando você não coíbe e não investiga adequadamente, não dá o apoio e o suporte necessários que a denúncia precisa para que a justiça seja feita”.
 
PATRULHAS
A criação da unidade reforça a política de prevenção adotada pelo governo mineiro, por meio da polícia, que já atua com a Patrulha de Prevenção à Violência Doméstica (PPVD). O serviço presta proteção à vítima real ou potencial, com a missão de desestimular ações criminosas no ambiente domiciliar.

Criada em 2010, a PPVD foi regulamentada pela PM em 2015. As patrulhas estão presentes em 23 municípios do Estado. Somente neste ano, elas já realizaram cerca de 6,9 mil visitas, acompanhamento de cerca de 2,1 mil casos com Medidas Protetivas de Urgência (MPU), 472 eventos e a prisão de 37 pessoas em decorrência do descumprimento dessas medidas.

Comandante-geral da corporação, coronel Helbert Figueiró de Lourdes afirmou que a unificação da ação policial trará maior capacidade de resposta e eficiência no trabalho. “Ela vai decorrer da articulação unificada que vai possibilitar uma articulação mais qualificada com os demais órgãos que cuidam dessa temática: Poder Judiciário, Ministério Público, Delegacia de Mulheres”, disse.

Seminário debate enfrentamento ao crime
O 1º Seminário Estadual de Prevenção à Violência Doméstica Contra as Mulheres tem como objetivo discutir o papel do Poder Judiciário, o sistema de Justiça e os equipamentos e políticas públicas no enfrentamento à violência contra o público feminino, além de alinhar as condutas operacionais e aproximar as redes de proteção. Participam do evento os militares que atuam nas Patrulhas de Prevenção à Violência Doméstica (PPVD’s), alunos do curso de sargento e representantes dos órgãos ligados à área.

Na solenidade de abertura também estiveram presentes os secretários de Estado de Segurança Pública, Sérgio Menezes, e de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania, Nilmário Miranda, a presidente do Servas, Carolina Pimentel, e os deputados estaduais Geisa Teixeira, Marília Campos e Jean Freire, além da desembargadora Karin Emmerich e a promotora de Justiça Nívia Mônica da Silva.