Dez das 12 estatísticas de crimes violentos monitorados em Minas apresentaram queda no primeiro semestre de 2017 em relação ao mesmo período de 2016. As reduções chegam a 50,9%, como nos registros de extorsão mediante sequestro, com destaque também para a queda dos casos de extorsão (-29,4%) e homicídio tentado (-15,2%).

Os roubos – que subiram seguidamente por seis anos – são destaque, porque estão em queda pelo terceiro mês neste ano. O índice alcançou a maior variação percentual de diminuição dos últimos seis anos em Minas Gerais: -8%, o que significa 5.305 ocorrências a menos deste tipo de crime no primeiro semestre do ano na comparação com igual período em 2016.

Importante indicador da violência, o número de vítimas de homicídio também está em queda de 4% em todo o Estado. Dados do Observatório de Segurança Cidadã, da Secretaria de Segurança Pública (Sesp), mostram que, no interior, 70,4% dos municípios não tiveram registro deste tipo de crime, ou mantiveram ou reduziram os índices.

Entre as cidades do interior com reduções percentuais de destaque no número de vítimas de homicídio está Varginha, no Sul de Minas – uma queda percentual de 75%. Foram quatro homicídios nos seis primeiros meses de 2016, contra um no mesmo período deste ano.

Quando a avaliação é relacionada ao número de vítimas, Ribeirão das Neves, na região metropolitana, fica com o melhor resultado. No primeiro semestre deste ano foram 46 homicídios, ante 77 do ano passado – 31 vítimas a menos.
 
RESULTADOS
Os números foram apresentados por Fernando Pimentel, durante reunião da Câmara de Coordenação das Políticas de Segurança Pública, no Palácio Tiradentes, em BH. O governador atribuiu os resultados positivos ao compromisso do Executivo com a segurança.

“Nossas forças de segurança são respeitadas. Vale dizer que têm um índice de letalidade menor, mas também uma exposição muito menor dos agentes no trabalho, o que é o ideal”, destacou Pimentel, ressaltando que a atuação da polícia mineira prioriza o trabalho de pacificação ao invés do confronto.

Ação integrada das polícias é estratégia
A criação da Câmara de Coordenação de Políticas de Segurança Pública é uma estratégia adotada pelo governo para ampliar a discussão e traçar ações conjuntas envolvendo os agentes ligados à área.

“Incrementamos o número de homens e mulheres nas ruas e o quantitativo de viaturas das duas polícias e estamos fazendo gestão focada em prevenção à criminalidade e integração do sistema de segurança”, avaliou o secretário de Segurança Pública, Sérgio Barboza Menezes.

O chefe da Polícia Civil, João Octacílio Neto, destacou o trabalho de investigação que está sendo feito no Estado. “Estamos com uma série de ações dentro do programa + Segurança, e uma delas é o intercâmbio de informações que estamos fazendo com a Polícia Civil de outros estados, principalmente da região Sudeste. Não existe fronteira. Essa integração vai dar resultado positivo”, afirmou.

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Helbert Figueiró, destacou que houve uma redução de 34,6% na ocorrência de crimes de explosão de caixas eletrônicos comparando o primeiro semestre de 2017 com o de 2016. “Temos estratégias para identificar essas quadrilhas com um trabalho de inteligência com a Polícia Civil”.

O coronel afirmou, ainda, que uma das estratégias para combater a criminalidade no interior é a redistribuição de policiais militares em cidades onde haja demanda pelo aumento do efetivo.

Programa + Segurança
São mais de 2.800 novos policiais militares nas ruas nos últimos meses para atendimento ao cidadão, e mais mil novos investigadores da Polícia Civil.

O governo lançou o programa + Segurança e, além do incremento de pessoal, também colocou à disposição das polícias Militar e Civil 1.817 viaturas, sendo 395 delas em BH.

Um projeto de atuação setorizada da Polícia Militar, também dentro do +Segurança, também já está em fase final e, nas próximas semanas, garantirá que nenhum morador da capital fique a mais de quatro quilômetros de um patrulhamento da polícia.

O projeto começa pela capital e, nos próximos anos, será estendido para a região metropolitana e para as cidades-polo de Minas.
 
On-line
Os dados de criminalidade, não só de homicídios, mas de todos os 12 crimes monitorados pela Sesp nos 853 municípios do Estado, estão disponíveis para consulta on-line. Basta acessar o site da secretaria (seds.mg.gov.br).