Os produtores da Cooperativa de Apicultores e Agricultores Familiares do Norte de Minas (Coopemapi) – sediada em Bocaiuva – começam a apostar no mercado internacional com a exposição do mel na Sial China, maior feira alimentícia da Ásia. O evento acontecerá no próximo mês, em Xangai, e vai reunir empresários de vários países. 

Crescendo em ritmo acelerado na região, a apicultura já tem espaço garantido no mercado nacional. Somente no Norte de Minas são quase 2 mil apicultores. A Coopemapi possui cerca de 250 associados em 22 cidades norte-mineiras, cultivando pelo menos 800 colmeias que são mantidas com a união proporcionada pela agricultura familiar.

A cooperativa busca seguir o mesmo caminho da Associação do Grupo Orgânico de Apicultores de Minas Gerais (Apiorg-MG), localizada no município de Guaraciama, que já exporta, anualmente, 70 toneladas de mel, gerando renda de quase R$ 1 milhão. Os produtos são vendidos para Nova Zelândia, Itália, Alemanha e Estados Unidos.

Além da extração de mel, a Coopemapi produz extrato de própolis e outros produtos derivados da abelha, como o pólen. “Recebemos o convite do Governo de Minas para participar da exposição junto com os queijos mineiros. É uma oportunidade importante para a classe apicultora, uma vez que ainda lutamos aqui, no Brasil, para a inserção do mel silvestre na merenda escolar”, diz o gerente da cooperativa, Franklin Alves.
 
MAIS INVESTIMENTO
No início de junho, o governo assinará o reconhecimento do Arranjo Produtivo Local (APL) do mel do Norte de Minas com a proposta de criação do Pró-Mel, um dos produtos de incentivos à produção, semelhante ao Programa Pró-Pequi.

“Estas ações em conjunto vão provocar grande evolução na produção de mel e própolis no Norte de Minas, que já apresenta excelentes resultados pela alta qualidade e variedade do produto regional e por ter se tornado uma alternativa para as famílias de agricultores nos períodos de seca”, diz o deputado estadual Tadeu Martins Leite (MDB). Ele confirmou a parceria da Coopemapi com a Codevasf e a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico. “Sem falar que é uma atividade aliada à preservação ambiental”.