Oitenta estudantes do Ensino Médio de nove escolas estaduais indígenas da etnia Xacriabá, em São João das Missões, no Norte de Minas, receberam os certificados de conclusão de dois cursos técnicos oferecidos gratuitamente pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), em parceria com a Secretaria de Estado de Educação de Minas (SEE).

Por meio do programa Escola Móvel, do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), a Fiemg realizou os cursos de iniciação profissional em mecânica de moto (assistente) e iniciação profissional em eletricista predial (assistente) nas Escolas Estaduais Xukurank e Bukimuk, nos turnos da tarde e da noite, com quatro turmas de 20 alunos cada.

As 40 vagas de cada curso foram preenchidas de acordo com uma avaliação do perfil dos alunos, como explica a diretora da escola Xukurank, Maria Aparecida de Andrade. “Formamos uma equipe de professores, diretores e líderes indígenas para observar se o aluno tinha vocação para o que ia ser estudado, se tinha interesse, se ele ia estudar e colocar em prática os conhecimentos e, principalmente, se ele teria comprometimento para um bom desempenho no curso técnico e no ensino regular, já que ele teria os dois turnos ocupados”, ressaltou.
 
COMEMORAÇÃO
Depois do processo seletivo, a diretora esclarece que foi possível beneficiar estudantes de mais de 30 aldeias da reserva Xacriabá e das nove escolas indígenas da região. Os cursos tiveram duração de 20 dias e, ao final, toda a equipe de profissionais que participaram desta realização decidiu fazer uma festa de formatura para os alunos.

“O desempenho deles surpreendeu a todos. Foram muito bem nas provas teóricas e práticas e não registramos nenhuma falta nem atrasos, mesmo com alunos que andavam mais de 30 quilômetros para chegar às escolas onde os cursos foram ofertados. Por isso, resolvemos fazer a formatura. Eles mereciam ter aquele momento de entrega do certificado, de escutar palavras de incentivo, de saber que muitas portas podem se abrir a partir desta formação”, comemorou Maria Aparecida.

Para ela, tão importante quanto estarem preparados para o mercado de trabalho, é saber que as chances de evasão escolar podem diminuir muito. “Há muitos casos de estudantes que saem da escola para buscar um emprego em outros lugares para ajudar a sustentar a família. Com a formação, eles podem trabalhar por perto e continuar estudando ”, disse.
 
TRABALHO EM EQUIPE
Além da SEE e da Fiemg, vários parceiros contribuíram para a realização dos cursos. A Prefeitura Municipal de São João das Missões forneceu carros e motoristas para levar e buscar os professores. As nove escolas estaduais indígenas forneceram os lanches diários para os estudantes. E os líderes comunitários, que ajudaram a fazer a seleção daqueles que agora estão certificados.