Outubro é apontado pelo Corpo de Bombeiros como período crítico para incêndios na região Norte de Minas. E os números indicam que o trabalho para os militares deverá ser grande. De janeiro a agosto de 2017, a corporação registrou um aumento de 10% nas queimadas em relação ao mesmo período de 2016. Foram 318 ocorrências, contra as 288 registradas no ano passado. 

A forte estiagem no ano passado ajudou, de acordo com os militares, a elevar o risco de incêndio na região Norte do Estado. 

“Passamos um longo período sem chuvas em 2016 e, neste ano, o cenário está se repetindo, o que deixa a vegetação mais vulnerável a queimadas. Os fortes ventos desta época acabam piorando a situação”, afirma o chefe da Assessoria de Comunicação do 7º Batalhão do Corpo de Bombeiros, tenente Diego Silva Prates. 

O estado de alerta é ainda maior para os parques Estadual Lapa Grande e Municipal Sapucaia, ambos em Montes Claros. “São áreas de densa vegetação e que requerem cuidados redobrados”, reforça o tenente. 
 
REFRESCO 
O período chuvoso na região Norte começa somente em dezembro, o que aumenta ainda mais a chance de queimadas em áreas de preservação ambiental. 

“Geralmente os incêndios registrados nessas áreas são provocados por ação humana. Isso é crime”, explica o tenente Diego Prates.

Para diminuir os riscos, os militares têm intensificado a fiscalização em áreas rurais. Patrulhas e ações de conscientização ajudam a diminuir as ocorrências. 

“Ainda há a cultura de limpeza de pastagem por meio de queimadas. Por isso é importante a visitação nas áreas rurais”, reforça o militar. 

A corporação ganhou reforço nos equipamentos de combate a incêndio, com abafadores, caminhões e bombas d’águas.