A incidência de febre amarela no Estado e os surtos de conjuntivite em várias cidades da região Norte afetaram o estoque de sangue em Montes Claros. No Hemocentro Regional o número de doadores caiu pela metade no último mês. Para tentar reverter o quadro, o Hospital das Clínicas Mário Ribeiro e a Funorte começaram uma campanha para incentivar o aumento da captação. 

Pessoas diagnosticadas com conjuntivite só podem doar sangue ao menos 15 dias após o desaparecimento dos sintomas. No caso da febre amarela, segundo o protocolo do Ministério da Saúde, é necessário esperar pelo menos 30 dias após a imunização contra a doença, que já matou 96 em Minas Gerais desde dezembro do ano passado.

No Hemocentro Regional de Montes Claros são necessárias, no mínimo, 1.500 doações mensais para garantir o abastecimento das 38 unidades hospitalares nos 26 municípios conveniados da região. Rosana Silva, captadora de doadores da instituição, explica que o quantitativo diário mínimo para suprir a demanda é de 100 candidatos. 

“Estamos tendo uma sobrecarga devido à grande demanda. Podemos usar o exemplo da Santa Casa, que necessita de mil bolsas por mês. Hoje, todos os grupos sanguíneos estão com baixa média de até 20%. O tipo O positivo, mais comum na população, estava reduzido em cerca de 40% do volume normal, mas já estamos conseguindo recuperar” conta Rosana. 
 
Campanha 
O Hospital das Clínicas Mário Ribeiro e as Faculdades Unidas do Norte de Minas (Funorte) fazem campanha para aumentar as doações no Hemominas. O HC possui comitê transfusional, agência conveniada ao Hemocentro Regional de Montes Claros, com trabalho efetivo e diário para a captação de doadores. Todo esse trabalho pretende atender pacientes que passarão por quaisquer procedimentos cirúrgicos na instituição. 

O HC informou que as ações vão começar dia 4 de maio nas unidades de ensino superior Funorte, FASI e também durante o vestibular em cidades vizinhas. Esse cronograma seguirá até novembro deste ano. A ideia é ampliar as atividades de captação para regularização e fidelização dos novos doadores, almejando um novo grupo voluntário, consciente e regular, além de multiplicador de informações. 

“Isso só reforça o trabalho que a instituição vem fazendo sobre a importância da doação de sangue com todos os seus pacientes e acompanhantes”, disse a direção do hospital, em nota. 

Atualmente, o Hospital das Clínicas tem banco de sangue positivo no Hemominas. A meta anual é de 360 doadores. No ano passado, o objetivo estipulado foi batido em 35%, o que corresponde a 486 doadores efetivos. 

O estudante de engenharia Marcos Santos já é doador há cinco anos e diz que a importância da prática é salvar vidas. “Minha tia já era doadora e me mostrou como é significativo e vital ser doador, que acima de tudo ajuda muitas pessoas”. 

O Hemocentro Regional fica na rua Urbino Viana, 640, Vila Guilhermina.