A EcoRodovias ofereceu a melhor proposta pelo lote rodoviário de Montes Claros, cujos envelopes foram abertos ontem pela comissão especial de licitação da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop). O Plano de Negócio das Rodovias prevê a concessão, por 30 anos, de 363,95 km das rodovias BR–135, MG–231 e LMG–754, ligando a BR-040 à Montes Claros.

O critério da licitação é o de maior oferta pela outorga da concessão. Não foi estipulado um valor mínimo. A maior proposta foi feita pela Ecorodovias Concessões e Serviços S/A, no valor de R$ 2,060 bilhões. É quase o dobro da segunda colocada, o Consórcio Nova MG, que ofertou R$ 1,2 bilhão. O Consórcio Minas Itália apresentou a proposta de R$ 858 milhões.  

Segundo o edital, o valor ofertado deverá ser pago ao poder concedente em parcelas mensais durante todo o prazo da concessão. 
 
ETAPAS 
O próximo passo do processo é análise do plano de negócios da Ecorodovias, primeira colocada na fase 2.  

Segundo a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas de Minas Gerais, a partir da publicação do resultado no Diário Oficial do Estado, as empresas têm cinco dias úteis para a interposição de recurso referente ao plano de negócio da vencedora. O anúncio do vencedor da licitação depende desse procedimento e da homologação dos documentos de habilitação.

A concessionária vencedora do lote deve atuar em quatro frentes de trabalho: recuperação e manutenção; melhorias operacionais e de ampliação de capacidade e manutenção de nível de serviço; conservação; e serviços operacionais. 

O investimento previsto é de R$ 1,88 bilhão, que será concentrado em obras de ampliação de capacidade. R$ 599,7 milhões desse total serão destinados a obras de duplicação, aplicados entre o segundo e o quinto ano de concessão.

De acordo com o edital, o valor estimado pela Setop para o valor presente líquido (VPL) da projeção das receitas da cobrança do pedágio está orçado em R$ 2,012 bilhões, a preços de janeiro de 2016. 

1,8 bilhão Valor previsto pela Ecorodovias para investimento nos trechos da concessão, divididos entre recuperação e duplicação