A Câmara Municipal de Janaúba instaurou Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar atuação do prefeito da cidade, Carlos Isaildon Mendes (PSDB). A CPI irá investigar denúncia sobre a gestão do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Janaúba (Previjan). Na última quarta-feira, os servidores municipais entraram em greve reivindicando reajuste salarial. 

A CPI foi aprovada por unanimidade, em reunião ordinária. A denúncia sustenta que o prefeito não estaria efetuando o repasse à previdência municipal. Os servidores pedem transparência na administração do Previjan, reajuste salarial, plano de carreira dos professores, entre outras reivindicações. 

“Os trabalhadores deixaram claro o descontentamento diante do salário defasado e da falta de diálogo por parte da administração municipal. É inadmissível a justificativa do prefeito Carlos Isaildon Mendes em não recompor o salário dos funcionários concursados, alegando falta de recursos financeiros, enquanto vem contratando assessores com salários muito acima dos efetivos”, disse a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Janaúba (Sindijana), Marilea Ribeiro.

Ainda segundo a presidente, a administração impetrou uma ação para cessar a greve, mas o desembargador Wander Marota não acatou o pedido e considerou que o movimento grevista é legal. 

A CPI da Câmara de Janaúba é composta pelos vereadores João Pereira (PSD), João da Ambulância (MDB), Augusto Wagner (PT) e Marcelo Alves (PHS). Caso a denúncia seja comprovada, a CPI pode processar o prefeito, que corre risco ter o mandato cassado. 

A redação de O Norte entrou em contato com a Assessoria de Comunicação do prefeito Isaildon Mendes para saber o posicionamento dele sobre o assunto, mas até o fechamento desta edição não teve retorno.